sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Ministro das Minas e Energia do Brasil demitiu-se do cargo

O ministro de Minas e Energia do Brasil, Eduardo Braga, anunciou hoje que se demitiu do cargo, noticiou a imprensa brasileira.

© Ueslei Marcelino / Reuters

Segundo a imprensa, Eduardo Braga apresentou a demissão diretamente à Presidente Dilma Rousseff, durante uma conversa que manteve hoje de manhã com a chefe de Estado.

Com esta demissão, o Governo brasileiro contabiliza nove pastas tuteladas interinamente, de um total de 32 ministérios.

As outras pastas com ministro interino são a Aviação Civil, Casa Civil, Cidades, Ciência e Tecnologia, Desporto, Integração Nacional, Portos e Turismo.

A saída de ministros segue-se ao abandono de partidos da coligação governamental, que se iniciou com a saída do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), anunciado no final de março.

Citado pela imprensa, Eduardo Braga (PMDB), afirmou que deixava o cargo com a sensação de que deu uma "grande contribuição" ao Governo e garantiu que o seu partido não o pressionou para se demitir.

"O PMDB soube respeitar e diferenciar a minha posição, me respeitou como um peemedebista de longa data que sou", disse à Agência Brasil.

O substituto vai ser escolhido pela Presidente Dilma Rousseff, que tende a escolher um funcionário que já trabalha dentro do próprio ministério.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.