sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Vice-presidente brasileiro diz-se pronto para assumir Governo caso Dilma seja afastada

O vice-presidente do Brasil, Michel Temer, disse hoje que está preparado para assumir a Presidência da República se Dilma Rousseff for afastada do cargo em maio.

© Ueslei Marcelino / Reuters

Em entrevista exclusiva ao jornal O Globo, Michel Temer, admitiu, pela primeira vez, que está a discutir uma equipa governamental, caso a Presidente, Dilma Rousseff, seja afastada, no âmbito do processo de 'impeachment', que está a ser discutido pelo Senado.

"Me encontro numa situação muito difícil. Não posso, em respeito ao Senado, tratar da formação de um eventual governo, mas tenho que estar preparado para, conforme o rito, assumir o governo no dia seguinte, caso a decisão seja pelo afastamento temporário da senhora presidente da República", disse o 'número dois' do executivo, eleito pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).

Na entrevista, o político não se comprometeu como nomes de futuros governantes mas disse que estava impressionado com a conversa que teve com o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles, apontado como um possível candidato ao cargo de ministro da Fazenda caso Temer assuma a Presidência.

Michel Temer também declarou que as consultas que teve nas últimas semanas com líderes políticos, economistas e outras personalidades constituem somente "sondagens", assegurando que não "assumiu compromissos com ninguém".

Temer é o substituto direto da Presidente Dilma Rousseff, que está acusada de cometer crime de responsabilidade porque teria realizado manobras fiscais para melhorar o resultado das contas públicas, aprovando despesas extras sem pedir autorização do Congresso.

No último dia 17, a denúncia conta a Presidente brasileira foi aprovada na Câmara dos Deputados (câmara baixa) e enviado para o Senado (câmara alta).

Hoje, 21 integrantes do Senado iniciaram os trabalhos de uma comissão especial que vai analisar a denúncia que pode custar-lhe o mandato.

Após ouvir as partes e fazer um relatório, esta comissão realiza uma votação que pode afastar Dilma Rousseff do cargo por 180 dias até o julgamento final do processo.

Neste caso, o vice-presidente assumiria interinamente a Presidência da República. Se Dilma Rousseff for condenada, Temer será Presidente do Brasil até janeiro de 2019.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.