sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Supremo não pode interferir no andamento do processo de destituição de Dilma

O juiz Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), que recusou hoje anular o processo de destituição da Presidente Dilma Rousseff, justificou que aquele órgão não pode interferir no andamento do processo.

Fernando Bizerra Jr.

Na sua decisão, Teori Zavascki começou por apontar "limites" ao controlo jurisdicional desta questão, como a "natureza da demanda", dado que o STF foi chamado a analisar uma questão relacionada com o processo de crime de responsabilidade da Presidente, que, "não é da competência do poder judiciário, mas do poder legislativo".

O magistrado citou a Constituição Federal, que "atribui, não ao Supremo, mas ao Senado Federal, autorizado pela Câmara dos Deputados, a competência para julgar o Presidente da República nos crimes de responsabilidade".

Teori Zavascki referiu também que algumas questões levantadas no recurso do Governo já tinham sido analisadas pelo STF, como a "juntada aos autos da colaboração premiada de autoria do senador Delcídio Amaral".

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, tinha pedido, na terça-feira, a anulação de todos os atos praticados pelo presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, desde a receção pelo STF da denúncia contra ele, em março deste ano.

A defesa da Presidente mencionou que o deputado cometeu um desvio de finalidade ao aceitar o pedido de destituição de Dilma Rousseff, em dezembro de 2015, por vingança.

Quanto a essa questão, o magistrado escreveu que "o então Presidente da Câmara dos Deputados notabilizou-se por uma sistemática oposição ao projeto político do Palácio do Planalto, exercendo diferentes frentes de pressão contra interesses do governo".

Segundo o juiz, porém, não há como identificar "de forma juridicamente incontestável", que essas iniciativas "tenham ultrapassado os limites da oposição política, que é legítima (...) para, de modo evidente, macular a validade do processo de 'impeachment' (destituição)".

Os atos do então presidente da câmara baixa do Congresso "foram subsequentemente referendados em diversas instâncias da Câmara dos Deputados (...) o que qualifica - e muito - a presunção de legitimidade do ato final de autorização de instauração do processo de 'impeachment'", vincou.

O pedido de 'impeachment' da Presidente Dilma Rousseff foi aprovado por 367 votos a favor e 137 contra na Câmara dos Deputados a 17 de abril, antes de seguir para o Senado.

A decisão surge no dia em que os senadores votam o relatório com o pedido de destituição de Dilma Rousseff, decidindo assim se a Presidente é temporariamente afastada do cargo para ir a julgamento e substituída pelo vice-Presidente, Michel Temer.

Lusa

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Desporto

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Desporto

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Mais cinco ilhas dos Açores sob aviso vermelho

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou esta quarta-feira para vermelho o aviso para as cinco ilhas do grupo central dos Açores, onde no Faial o vento atingiu os 150 quilómetros por hora.

  • Votações sobre o mapa judiciário geram tensão no Parlamento
    2:01

    País

    O momento das votações no Parlamento ficou marcado por alguma tensão. Depois de aprovadas, em comissão, as alterações ao mapa judiciário, o PSD opôs-se a que o diploma fosse votado em plenário, uma vez que não fazia parte da versão inicial do guião de votações. A esquerda acusou os sociais-democratas de terem motivações estritamente políticas e não regimentais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.