sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Supremo não pode interferir no andamento do processo de destituição de Dilma

O juiz Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), que recusou hoje anular o processo de destituição da Presidente Dilma Rousseff, justificou que aquele órgão não pode interferir no andamento do processo.

Fernando Bizerra Jr.

Na sua decisão, Teori Zavascki começou por apontar "limites" ao controlo jurisdicional desta questão, como a "natureza da demanda", dado que o STF foi chamado a analisar uma questão relacionada com o processo de crime de responsabilidade da Presidente, que, "não é da competência do poder judiciário, mas do poder legislativo".

O magistrado citou a Constituição Federal, que "atribui, não ao Supremo, mas ao Senado Federal, autorizado pela Câmara dos Deputados, a competência para julgar o Presidente da República nos crimes de responsabilidade".

Teori Zavascki referiu também que algumas questões levantadas no recurso do Governo já tinham sido analisadas pelo STF, como a "juntada aos autos da colaboração premiada de autoria do senador Delcídio Amaral".

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, tinha pedido, na terça-feira, a anulação de todos os atos praticados pelo presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, desde a receção pelo STF da denúncia contra ele, em março deste ano.

A defesa da Presidente mencionou que o deputado cometeu um desvio de finalidade ao aceitar o pedido de destituição de Dilma Rousseff, em dezembro de 2015, por vingança.

Quanto a essa questão, o magistrado escreveu que "o então Presidente da Câmara dos Deputados notabilizou-se por uma sistemática oposição ao projeto político do Palácio do Planalto, exercendo diferentes frentes de pressão contra interesses do governo".

Segundo o juiz, porém, não há como identificar "de forma juridicamente incontestável", que essas iniciativas "tenham ultrapassado os limites da oposição política, que é legítima (...) para, de modo evidente, macular a validade do processo de 'impeachment' (destituição)".

Os atos do então presidente da câmara baixa do Congresso "foram subsequentemente referendados em diversas instâncias da Câmara dos Deputados (...) o que qualifica - e muito - a presunção de legitimidade do ato final de autorização de instauração do processo de 'impeachment'", vincou.

O pedido de 'impeachment' da Presidente Dilma Rousseff foi aprovado por 367 votos a favor e 137 contra na Câmara dos Deputados a 17 de abril, antes de seguir para o Senado.

A decisão surge no dia em que os senadores votam o relatório com o pedido de destituição de Dilma Rousseff, decidindo assim se a Presidente é temporariamente afastada do cargo para ir a julgamento e substituída pelo vice-Presidente, Michel Temer.

Lusa

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.