sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Supremo Tribunal do Brasil autoriza investigação por corrupção de líder da oposição

O Supremo Tribunal do Brasil autorizou uma investigação ao principal líder da oposição, o senador Aécio Neves, por alegada responsabilidade nos desvios na petrolífera estatal Petrobras, disseram hoje fontes oficiais.

Senador Aécio Neves, principal líder da oposição.

Senador Aécio Neves, principal líder da oposição.

© Ueslei Marcelino / Reuters

O pedido de investigação de Neves foi apresentado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e aceite pelo juiz Gilmar Mendes, de acordo com informações do processo divulgadas pelo tribunal.

O caso surge na sequência da denúncia pelo senador Delcídio do Amaral, antigo porta-voz do Governo no Senado, detido em dezembro passado, no âmbito da investigação do escândalo de corrupção na Petrobras, conhecida como Lava Jato.

Delcídio do Amaral chegou a acordo com o Ministério Público para colaborar na investigação e conseguir uma redução na sua pena, em troca de denúncias dos cúmplices.

Em relação a Aécio Neves, candidato derrotado pela Presidente brasileira, Dilma Rousseff, na segunda volta das presidenciais de 2014, o Ministério Público quer saber se recebeu dinheiro desviado da empresa estatal Furnas Centrales Elétricas, como afirmou Delcídio do Amaral.

Nas 255 páginas de declarações do ex-porta-voz do Governo surgem implicadas dezenas de políticos no poder e na oposição, mediante a apresentação de provas como as suas agendas oficiais, listas de chamadas telefónicas e passagens aéreas usadas pelo senador.

Na lista de autoridades citadas pelo senador constam Rousseff, o antecessor Luiz Inácio Lula da Silva e o vice-Presidente, Michel Temer, que poderá assumir hoje interinamente a chefia do Estado se o Senado brasileiro aprovar o processo de destituição contra a atual Presidente.

Lusa

  • Maioria dos senadores anuncia voto a favor da destituição de Dilma

    Operação Lava Jato

    Um total de 51 senadores brasileiros anunciaram já que vão votar a favor do 'impeachment' (destituição) da Presidente Dilma Rousseff, número suficiente para a afastar do cargo. Depois de mais de 17 horas de debate, o presidente do Senado encerrou a fase de alegações finais no processo de votação de admissibilidade do impeachment. Depois das intervenções, tem lugar a votação final, que não terá direito a declarações.

  • Vale tudo no protesto contra o impeachment

    Operação Lava Jato

    Por todo o Brasil há protestos contra e a favor da destituição de Dilma Rousseff. Este homem, conta a imprensa brasileira, está contra o afastamento da Presidente do país e decidiu mostrá-lo, no calor da noite brasileira. Aconteceu na esplanada dos ministérios na capital do país. A fotografia que, por esta altura, corre mundo via Twitter está a ser alvo de piadas e trocadilhos.

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.