sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Supremo Tribunal do Brasil autoriza investigação por corrupção de líder da oposição

O Supremo Tribunal do Brasil autorizou uma investigação ao principal líder da oposição, o senador Aécio Neves, por alegada responsabilidade nos desvios na petrolífera estatal Petrobras, disseram hoje fontes oficiais.

Senador Aécio Neves, principal líder da oposição.

Senador Aécio Neves, principal líder da oposição.

© Ueslei Marcelino / Reuters

O pedido de investigação de Neves foi apresentado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e aceite pelo juiz Gilmar Mendes, de acordo com informações do processo divulgadas pelo tribunal.

O caso surge na sequência da denúncia pelo senador Delcídio do Amaral, antigo porta-voz do Governo no Senado, detido em dezembro passado, no âmbito da investigação do escândalo de corrupção na Petrobras, conhecida como Lava Jato.

Delcídio do Amaral chegou a acordo com o Ministério Público para colaborar na investigação e conseguir uma redução na sua pena, em troca de denúncias dos cúmplices.

Em relação a Aécio Neves, candidato derrotado pela Presidente brasileira, Dilma Rousseff, na segunda volta das presidenciais de 2014, o Ministério Público quer saber se recebeu dinheiro desviado da empresa estatal Furnas Centrales Elétricas, como afirmou Delcídio do Amaral.

Nas 255 páginas de declarações do ex-porta-voz do Governo surgem implicadas dezenas de políticos no poder e na oposição, mediante a apresentação de provas como as suas agendas oficiais, listas de chamadas telefónicas e passagens aéreas usadas pelo senador.

Na lista de autoridades citadas pelo senador constam Rousseff, o antecessor Luiz Inácio Lula da Silva e o vice-Presidente, Michel Temer, que poderá assumir hoje interinamente a chefia do Estado se o Senado brasileiro aprovar o processo de destituição contra a atual Presidente.

Lusa

  • Maioria dos senadores anuncia voto a favor da destituição de Dilma

    Operação Lava Jato

    Um total de 51 senadores brasileiros anunciaram já que vão votar a favor do 'impeachment' (destituição) da Presidente Dilma Rousseff, número suficiente para a afastar do cargo. Depois de mais de 17 horas de debate, o presidente do Senado encerrou a fase de alegações finais no processo de votação de admissibilidade do impeachment. Depois das intervenções, tem lugar a votação final, que não terá direito a declarações.

  • Vale tudo no protesto contra o impeachment

    Operação Lava Jato

    Por todo o Brasil há protestos contra e a favor da destituição de Dilma Rousseff. Este homem, conta a imprensa brasileira, está contra o afastamento da Presidente do país e decidiu mostrá-lo, no calor da noite brasileira. Aconteceu na esplanada dos ministérios na capital do país. A fotografia que, por esta altura, corre mundo via Twitter está a ser alvo de piadas e trocadilhos.

  • "Não há um verdadeiro debate democrático em Espanha"
    2:24
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    No Quadratura do Círculo desta quinta-feira, José Pacheco Pereira disse que este braço de ferro em território espanhol reforça a linha autoritária que existe em Espanha. Jorge Coelho considera que é urgente recorrer à diplomacia para definir um caminho a médio ou a longo prazo. Já o gestor Manuel Queiró afirma que Portugal não deve encarar este referendo com condescendência. 

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Óculos inteligentes permitem controlar telemóvel com o nariz
    1:05
  • Defesa de Sócrates diz que junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal
    0:50

    Operação Marquês

    A defesa de José Sócrates diz que a junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal. A aplicação de 900 milhões de euros da PT no BES foi anexada ao processo, por suspeita de luvas pagas por Ricardo Salgado a Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, também arguidos. A defesa do antigo primeiro-ministro já contestou a decisão. Diz que é uma forma de confundir o processo para ocultar, mais uma vez, a falta de provas contra Sócrates.

  • Família Portugal Ramos
    15:01