sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Novo governo brasileiro anuncia corte de 4 mil postos de trabalho até final de 2016

O Governo do Presidente da República interino, Michel Temer, vai extinguir 4 mil postos de trabalho no Brasil até ao fim do ano, anunciou hoje o ministro do Planeamento, Desenvolvimento e Gestão, Romero Jucá.

© Ueslei Marcelino / Reuters

"[O corte] não resolve a questão do gasto público e da meta de défice fiscal, mas é um posicionamento que o Governo toma para dar exemplo à sociedade", disse.

Segundo Romero Jucá, os métodos de contratação dos funcionários que não entram por via de concurso público vão também ser revistos para reduzir e simplificar as regras.

O Governo, porém, não deu uma estimativa de quanto irá economizar com a medida.

De acordo com Romero Jucá, a economia gerada pelo corte "será anunciada no momento certo, já que existem cargos diferentes, com valores diferentes, situações diferentes".

Uma das maiores críticas feitas à Presidente Dilma Rousseff, afastada do cargo na quinta-feira, pelo Senado (câmara alta) por um prazo máximo 180 dias, era justamente a dimensão do universo de funcionários públicos.

Hoje o Brasil tem um défice primário no orçamento de pelo menos 96,7 mil milhões de reais (24,2 mil milhões de euros).

Apesar de anunciar o corte de cargos, Romero Jucá frisou que o governo interino honrará os projetos de aumentos salariais que já foram enviados ao Congresso.

O novo titular da pasta do Planeamento, Desenvolvimento e Gestão faz parte de um grupo de 23 ministros que tomaram posse após a nomeação de Michel Temer como Presidente interino do Brasil no lugar de Dilma Rousseff.

A chefe de Estado brasileira foi afastada temporariamente pelo Congresso, acusada de cometer irregularidades orçamentais e realizar despesas não autorizadas.

Lusa

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.