sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Maduro pediu ao embaixador venezuelano no Brasil para regressar a Caracas

O Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, pediu na sexta-feira ao embaixador do país no Brasil para regressar a Caracas, depois de o Senado brasileiro ter aprovado a abertura do processo de destituição de Dilma Rousseff.

© Marco Bello / Reuters

"Pedi ao nosso embaixador no Brasil, Alberto Castellar, que venha para Caracas", disse Nicolas Maduro, que considera que houve "um golpe de Estado" no Brasil, em declarações transmitidas pela rádio e pela televisão.

"Estivemos a avaliar (...) esta dolorosa página da história do Brasil (...). Quiseram apagar a história com uma jogada totalmente injusta com uma mulher que foi a primeira presidente que teve o Brasil" afirmou.

Maduro classificou o afastamento de Dilma Rousseff, na sequência da decisão do Senado, "uma canalhada contra ela, contra a sua honra, contra a democracia, contra o povo brasileiro".

Insistindo em que houve um golpe de Estado no Brasil, apelou aos seus homólogos na região para que reflitam no que aconteceu com Dilma Rousseff.

Nicolas Maduro advertiu para o perigo do "vírus do golpismo" voltar a tomar conta da América Latina, arrastando consigo "grandes convulsões sociais outra vez".

Dilma Rousseff foi afastada temporariamente da Presidência do Brasil na quinta-feira, por um prazo máximo de 180 dias, por o Senado ter aprovado a instauração de um processo de 'impeachment' (destituição) da chefe de Estado.

O até agora vice-presidente do Brasil, Michel Temer tornou-se, no mesmo dia, Presidente interino.

O Senado irá agora julgar Dilma Rousseff, mas a chefe de Estado só será afastada definitivamente se for condenada por uma maioria de dois terços dos eleitos naquele órgão.

Lusa