sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Economista Sílvia Bastos é a primeira mulher do governo de Michel Temer

A economista Maria Sílvia Bastos Marques vai ser a nova presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES). Foi secretária das Finanças da Prefeitura do Rio de Janeiro e é a primeira mulher do novo Governo depois do Presidente Michel Temer ter anunciado uma equipa totalmente masculina. A ausência de mulheres no Governo de Temer tinha sido alvo de críticas de Dilma Rousseff nos últimos dias.

© Sergio Moraes / Reuters

Maria Sílvia Bastos tem experiência no setor público e privado. Entre os cargos que exerceu destacam-se a presidência da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e as passagens pela Petrobras e pelo próprio BNDES, onde trabalhou nos anos 90. Recentemente, foi assessora especial dos Jogos Olímpicos na Prefeitura do Rio de Janeiro, cargo que deixou no início de maio.

Será a primeira mulher a chefiar a instituição, que tem, entre as funções, o financiamento das grandes obras e projetos do Brasil. Vai assumir o lugar de Luciano Coutinho, que desempenhava funções desde 2007, indicado pelo antigo presidente Lula da Silva.

Segundo a Globo, além do nome da nova presidente do BNDES, outros presidentes de bancos oficiais devem ser anunciados ainda esta semana.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".