sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Marcelo Calero assume Secretaria da Cultura brasileira após cinco recusarem cargo

O diplomata Marcelo Calero foi hoje escolhido para liderar a Secretaria Nacional de Cultura, após vários dias de polémica em torno da extinção do Ministério da Cultura e de, pelo menos, cinco mulheres terem recusado o cargo.

O nome de Marcelo Calero, de 33 anos, foi confirmado à agência Lusa por fonte da presidência brasileira, agora assumida interinamente por Michel Temer, na sequência da aprovação do pedido de 'impeachment' (destituição) da presidente Dilma Rousseff.

Marcelo Calero ingressou na carreira diplomática em 2007 e em 2013 foi cedido à autarquia do Rio de Janeiro.

No ano passado, o diplomata assumiu o cargo de secretário municipal de Cultura do Rio de Janeiro.

A extinção do Ministério da Cultura e sua incorporação à pasta da Educação tem sido alvo de críticas, bem como o facto de o governo interino de Michel Temer não contar com mulheres nas lideranças dos 23 ministérios.

Michel Temer procurou por isso uma pessoa do sexo feminino para o cargo, mas, segundo a imprensa local, pelo menos cinco mulheres recusaram o convite: a jornalista Marília Gabriela, a ex-secretária de Cultura do Rio de Janeiro Adriana Rattes, a antropóloga Cláudia Leitão, a atriz Bruna Lombardi e Eliane Costa.

Eliane Costa, consultora de projetos culturais da Fundação Getúlio Vargas, respondeu nas redes sociais que não trabalha para um "governo golpista" e "nem seria coveira do Ministério da Cultura".

Cláudia Leitão, ex-secretária de Economia Criativa do extinto Ministério da Cultura, escreveu nas redes sociais que "respondeu com um sonoro não" e recomendou que "nenhuma mulher aceite esse convite e, dessa forma, contribua para a transfiguração do Ministério da Cultura em um apêndice do Ministério da Educação e da Cultura".

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15