sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Ex-Presidente brasileiro Sarney afirma-se revoltado com pedido de prisão

O ex-Presidente brasileiro José Sarney afirmou hoje que está "revoltado e perplexo" com a divulgação da informação de que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, teria pedido a prisão dele ao Supremo Tribunal Federal (STF).

© Ueslei Marcelino / Reuters

"Dediquei sessenta anos da minha vida pública ao país e à defesa do Estado de Direito. Julguei que tivesse o respeito de autoridades do porte do Procurador-Geral da República. Jamais agi para obstruir a justiça. Sempre a prestigiei e a fortaleci", disse Sarney, em resposta à notícia do jornal O Globo que o envolve num grupo de políticos suspeitos de interferirem no processo Lava Jato.

O procurador-geral da República brasileiro, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a sua prisão e de outros membros da direção do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).

Janot não confirmou publicamente as informações, mas a imprensa brasileira avança que a prisão de Sarney foi solicitada como base em áudios secretos gravados pelo ex-presidente da Transpetro (subsidiária da Petrobras), Sérgio Machado, que sugerem uma tentativa dele e de outros políticos de atrapalharem as investigações da Operação Lava Jato, que investiga o maior esquema de corrupção no país, envolvendo dezenas de políticos e várias empresas, entre as quais a Petrobras.

No caso do ex-Presidente Sarney, é pedida prisão domiciliária com o uso de pulseira eletrónica, devido à sua idade, 86 anos.

Além dele, também teriam sido alvo de pedidos de prisão o presidente do Senado (câmara altar parlamentar) Renan Calheiros, o presidente afastado da Câmara dos Deputados (câmara baixa) Eduardo Cunha e o senador Romero Jucá.

Lusa

  • Mais de 1600 fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado fez mais de 1600 ações de fiscalização a Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público. Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.