sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Michel Temer diz que primeiro mês à frente do Governo "tem sido uma guerra"

O Presidente interino do Brasil, Michel Temer, diz que o primeiro mês à frente do Governo do país "tem sido uma guerra" e considera que "não tem espaço para Dilma voltar".

© Ueslei Marcelino / Reuters

"É uma guerra, tem sido uma guerra", disse Temer ao jornal Folha de São Paulo, que publicou no sábado uma entrevista com o Presidente interino do Brasil, que completa hoje um mês no cargo.

"Apesar de todas as turbulências, críticas e pressões, foi um mês de sucesso", acrescentou Michel Temer, que assumiu a liderança do Governo brasileiro quando a Presidente eleita, Dilma Rousseff, foi afastada do cargo temporariamente para ser julgada no âmbito do processo de 'impeachment' (destituição) aprovado pelo Congresso.

Michel Temer diz que este mês tem um "saldo positivo".

"Restabelecemos a interlocução com o Congresso, votamos projetos com ampla maioria e estamos retomando a confiança no país, não é pouca coisa para um começo de Governo", disse à Folha de São Paulo.

"Temos tido mais de 300 votos, às vezes mais de 340 na Câmara. Isto reflete confiança neste Governo. Nossas vitórias no Congresso mostram que não tem espaço para a Dilma voltar", acrescentou.

Michel Temer vincou que não tem feito "nenhum gesto contra ela [Dilma Rousseff]" e que respeita "quem passou".

Ainda assim, critica a herança que recebeu.

"Foi surpreendente, de forma negativa, o que encontrámos aqui. As contas muito piores do imaginávamos, a Petrobras quebrada, os Correios quebrados, a Eletrobras quebrada. E eles ainda ficam numa campanha agressiva contra mim", afirmou.

Sobre as críticas ao seu Governo, por não incluir mulheres e integrar nomes envolvidos na investigação Lavo Jato, relacionada com esquemas de corrupção, Michel Temer respondeu que criou "um time de primeira grandeza na área económica".

O Governo de Michel Temer completa um mês neste domingo e enfrenta vários casos polémicos, que já fizeram cair dois ministros, e manifestações que pedem a sua saída do cargo.

O Presidente interino trocou a equipa económica do Governo e o mercado recebeu bem essas mudanças, sobretudo pelos novos ministros da Fazenda (Finanças), Henrique Meirelles, e do Planeamento, Romero Jucá.

No entanto, o ministro do Planeamento, Romero Jucá, deixou o cargo após a divulgação de escutas em que aparece a falar em travar a Operação Lava Jato.

Outro ministro que caiu foi o da Transparência, Fabiano Silveira, após ter criticado a Operação Lava Jato em gravações feitas pelo ex-senador e ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.