sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Michel Temer diz que primeiro mês à frente do Governo "tem sido uma guerra"

O Presidente interino do Brasil, Michel Temer, diz que o primeiro mês à frente do Governo do país "tem sido uma guerra" e considera que "não tem espaço para Dilma voltar".

© Ueslei Marcelino / Reuters

"É uma guerra, tem sido uma guerra", disse Temer ao jornal Folha de São Paulo, que publicou no sábado uma entrevista com o Presidente interino do Brasil, que completa hoje um mês no cargo.

"Apesar de todas as turbulências, críticas e pressões, foi um mês de sucesso", acrescentou Michel Temer, que assumiu a liderança do Governo brasileiro quando a Presidente eleita, Dilma Rousseff, foi afastada do cargo temporariamente para ser julgada no âmbito do processo de 'impeachment' (destituição) aprovado pelo Congresso.

Michel Temer diz que este mês tem um "saldo positivo".

"Restabelecemos a interlocução com o Congresso, votamos projetos com ampla maioria e estamos retomando a confiança no país, não é pouca coisa para um começo de Governo", disse à Folha de São Paulo.

"Temos tido mais de 300 votos, às vezes mais de 340 na Câmara. Isto reflete confiança neste Governo. Nossas vitórias no Congresso mostram que não tem espaço para a Dilma voltar", acrescentou.

Michel Temer vincou que não tem feito "nenhum gesto contra ela [Dilma Rousseff]" e que respeita "quem passou".

Ainda assim, critica a herança que recebeu.

"Foi surpreendente, de forma negativa, o que encontrámos aqui. As contas muito piores do imaginávamos, a Petrobras quebrada, os Correios quebrados, a Eletrobras quebrada. E eles ainda ficam numa campanha agressiva contra mim", afirmou.

Sobre as críticas ao seu Governo, por não incluir mulheres e integrar nomes envolvidos na investigação Lavo Jato, relacionada com esquemas de corrupção, Michel Temer respondeu que criou "um time de primeira grandeza na área económica".

O Governo de Michel Temer completa um mês neste domingo e enfrenta vários casos polémicos, que já fizeram cair dois ministros, e manifestações que pedem a sua saída do cargo.

O Presidente interino trocou a equipa económica do Governo e o mercado recebeu bem essas mudanças, sobretudo pelos novos ministros da Fazenda (Finanças), Henrique Meirelles, e do Planeamento, Romero Jucá.

No entanto, o ministro do Planeamento, Romero Jucá, deixou o cargo após a divulgação de escutas em que aparece a falar em travar a Operação Lava Jato.

Outro ministro que caiu foi o da Transparência, Fabiano Silveira, após ter criticado a Operação Lava Jato em gravações feitas pelo ex-senador e ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.