sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Ministério Público brasileiro pede suspensão de direitos políticos de Eduardo Cunha por dez anos

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou, segunda-feira, uma ação civil de improbidade administrativa contra o presidente afastado da Câmara dos Deputados brasileira, Eduardo Cunha, pedindo a suspensão dos seus direitos políticos por dez anos.

Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados do Brasil.

Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados do Brasil.

© Adriano Machado / Reuters

Eduardo Cunha é considerado beneficiário direto de um esquema de corrupção instalado na Diretoria Internacional da petrolífera estatal Petrobras, empresa investigada no âmbito do maior caso de corrupção da história do Brasil, conhecido como Lava Jato.

Segundo um comunicado da Procuradoria da República no Paraná, a ação também envolve o empresário português Idalécio Oliveira, que, segundo a justiça brasileira, teve uma empresa sua envolvida no esquema de subornos para a exploração de petróleo no Benim pela Petrobras.

Estão também envolvidos na ação a esposa do deputado, Cláudia Cordeiro Cruz, o ex-diretor da Petrobras, Jorge Luiz Zelada, e o operador que representava os interesses do Partido do Movimento Democrático do Brasil (PMDB) no esquema, João Augusto Rezende Henriques.

"Pelas irregularidades cometidas, a força-tarefa (equipa que trata da Lava Jato) pede na ação a reparação do dano no valor de 10 milhões de dólares (8,9 milhões de euros), a perda dos bens acrescidos ilicitamente ao património dos demandados, o pagamento de multa civil de três vezes o valor do locupletamento ilícito", lê-se no comunicado.

É ainda pedido, de acordo com o texto, "a indisponibilidade de bens dos envolvidos no esquema de corrupção, além de pagamento de danos morais coletivos fixados em patamares suficientes para desestimular a continuidade das práticas ilícitas".

Na ação, os procuradores solicitam também que Eduardo Cunha seja condenado à devolução de 20 milhões de reais (5 milhões de euros) referentes a valores movimentados em contas não declaradas no exterior.

Apesar de ter foro privilegiado, o que faz com que Eduardo Cunha seja julgado pelo Supremo Tribunal Federal, esta ação por improbidade tramita na Justiça Federal por se tratar de matéria civil, sem relação com as imputações penais.


Lusa

  • Principais factos da acusação no caso BPN dados como provados

    País

    O coletivo de juízes responsável pelo julgamento do processo principal do caso BPN interrompeu perto das 13:00 a leitura do acórdão iniciada pelas 10:30. Os principais factos da acusação são dados como provados, mas a leitura deverá demorar algumas horas.

  • Greve na Função Pública vai afetar escolas, saúde e cultura

    País

    A greve nacional convocada para sexta-feira pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSTFPS) deverá afetar as escolas, a área da saúde e ainda da cultura, entre outros serviços, afirmou esta quarta-feira a dirigente sindical, Ana Avoila.

  • Papa pede a Trump para ser pacificador
    1:12
  • Supremo confirma condenação de Messi por fraude fiscal

    Desporto

    O Supremo Tribunal de Justiça espanhol confirma a condenação de Lionel Messi por fraude fiscal. A notícia foi avançada pelo El País. O jogador do Barcelona foi condenado a 21 meses de prisão por três crimes fiscais que lesaram o Estado em 4,1 milhões de euros.

  • Autódromo do Estoril está ilegal há 45 anos

    Desporto

    De acordo com o Público este equipamento desportivo, inaugurado na década de 70, não tem licença de construção nem de utilização. Uma notícia que apanhou de surpresa o executivo camarário de Cascais, liderado por Carlos Carreiras.

  • Seca na Bacia do Sado exige restrições ao uso da água no Alentejo

    País

    A Agência Portuguesa do Ambiente aprovou hoje um conjunto de medidas para gestão dos recursos hídricos, definindo medidas específicas para a bacia hidrográfica do Sado, a única que se encontra em situação de seca. Além da diminuição de regas em hortas e jardins, a APA recomenda o encerramento das fontes decorativas, a proibição de encher piscinas e de lavagem de automóveis.