sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Michel Temer terá combinado subornos para candidato em São Paulo

O ex-presidente da Transpetro, empresa subsidiária da Petrobras, Sérgio Machado afirmou que o Presidente interino do Brasil Michel Temer negociou consigo recursos ilícitos para uma campanha eleitoral.

© Ueslei Marcelino / Reuters

A informação foi divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo, que teve acesso a parte do depoimento dado por Sérgio Machado aos agentes que investigam os casos de corrupção na Petrobras.

Segundo o ex-presidente da Transpetro, Michel Temer teria negociado o recurso de subornos para ajudar a campanha de Gabriel Chalita, candidato do Partido Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) à Prefeitura de São Paulo em 2012.

Sérgio Machado afirmou que encontrou Michel Temer em setembro de 2012 numa base aérea de Brasília. Nessa ocasião, ele e o atual Presidente interino teriam acertado que a empreiteira Queiroz Galvão faria uma doação de 1,5 milhões de reais (380 mil euros) à campanha de Chalita.

"Michel Temer então disse que estava com problema no financiamento da candidatura do Chalita e perguntou se o depoente poderia ajudar; então o depoente disse que faria um repasse [transferência] através de uma doação oficial", diz o documento de sua delação citado pelo jornal.

Michel Temer já negou que tenha pedido doação a Sérgio Machado para a campanha de Gabriel Chalita.

O ex-presidente da Transpetro aceitou cooperar com as investigações da Lava Jato em troca de redução de uma possível pena que cumprirá pela sua participação nos desvios de dinheiro da petrolífera brasileira.

Gravações secretas realizadas por Sérgio Machado, que se tornaram públicas em maio tornando-o um dos principais delatores de políticos envolvidos nos esquemas de corrupção na Petrobras, revelam líderes do PMDB a falar sobre possíveis acordos para evitar os avanços das investigações.

Estes áudios já provocaram a queda de dois ministros do Governo Temer: Romero Jucá, que ocupava a pasta do Planeamento, e de Fabiano Silveira, que detinha a do Ministério da Transparência.

Lusa

  • Isto não é não jornalismo. Por Ricardo Costa

    Opinião

    Uma das decisões mais banais e corriqueiras do jornalismo assenta nas escolhas que se fazem no dia a dia. Que temas se abordam, que destaque se dá a este ou aquele assunto, que ângulos de abordagem se usam. São opções condicionadas por uma série de fatores - que vão do interesse e da novidade até questões tão básicas como o haver ou não jornalistas com tempo, meios e conhecimentos para o fazerem -, que estão e estarão na base de qualquer dia de trabalho numa redação.

    Ricardo Costa

  • Bruxelas multa Altice em 125 M€ devido à compra da PT

    Economia

    Os Serviços da Concorrência da Comissão Europeia decidiram multar a Altice em 125 milhões de euros no âmbito da compra da PT Portugal. Bruxelas avançou com a multa à Altice por ter começado a gerir a PT antes do negócio ter sido aprovado pela Comissão Europeia.

  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.