sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Temer nega acordo de subornos para candidato de São Paulo

A acusação do ex-presidente da Transpetro (subsidiária da Petrobras) Sérgio Machado de que o Presidente interino do Brasil, Michel Temer, negociou consigo recursos ilícitos para uma campanha eleitoral é "absolutamente inverídica", segundo a Presidência.

Michel Temer, presidente do Brasil

Michel Temer, presidente do Brasil

© Ueslei Marcelino / Reuters

Michel Temer "mantinha relacionamento apenas formal e sem nenhuma proximidade" com Sérgio Machado, de acordo com uma nota divulgada hoje.

No texto lê-se que Michel Temer "jamais permitiu arrecadação fora dos ditames da lei, seja para si, para o partido e, muito menos, para outros candidatos".

Segundo a delação premiada (relevação de informações em troca de eventual redução de pena) de Sérgio Machado, Michel Temer teria negociado o recurso de subornos para ajudar a campanha de Gabriel Chalita, candidato do Partido Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) à câmara de São Paulo em 2012.

Nas declarações aos investigadores da Operação Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção na petrolífera Petrobras e outras empresas, o delator contou que pagou subornos a mais de 20 políticos.

Um dos envolvidos que negou as acusações, o presidente do Senado, Renan Calheiros, reafirmou, numa nota, que jamais recebeu recursos ilegais ou "vantagens de quem quer que seja", e que "todas as doações de campanhas eleitorais ocorreram na forma da lei".

O senador Aécio Neves, candidato derrotado nas presidenciais de 2014, negou que tenha usado subornos para comprar apoio na Câmara dos Deputados, e acusou Sérgio Machado de fazer "acusações falsas e covardes" para "conquistar os benefícios de uma delação premiada".

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57

    País

    Tondela foi um dos municípios mais atingidos pelo incêndio, deixando dezenas de animais feridos e perdidos no concelho. Várias clínicas veterinárias são agora um porto de abrigo e, em alguns casos, um ponto de encontro. Muitos dos animais chegaram recolhidos por voluntários e a maior parte dos casos são animais que, no momento de aflição, foram soltos pelos donos e salvos pelo instituto de sobrevivência.

  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31