sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Temer nega acordo de subornos para candidato de São Paulo

A acusação do ex-presidente da Transpetro (subsidiária da Petrobras) Sérgio Machado de que o Presidente interino do Brasil, Michel Temer, negociou consigo recursos ilícitos para uma campanha eleitoral é "absolutamente inverídica", segundo a Presidência.

Michel Temer, presidente do Brasil

Michel Temer, presidente do Brasil

© Ueslei Marcelino / Reuters

Michel Temer "mantinha relacionamento apenas formal e sem nenhuma proximidade" com Sérgio Machado, de acordo com uma nota divulgada hoje.

No texto lê-se que Michel Temer "jamais permitiu arrecadação fora dos ditames da lei, seja para si, para o partido e, muito menos, para outros candidatos".

Segundo a delação premiada (relevação de informações em troca de eventual redução de pena) de Sérgio Machado, Michel Temer teria negociado o recurso de subornos para ajudar a campanha de Gabriel Chalita, candidato do Partido Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) à câmara de São Paulo em 2012.

Nas declarações aos investigadores da Operação Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção na petrolífera Petrobras e outras empresas, o delator contou que pagou subornos a mais de 20 políticos.

Um dos envolvidos que negou as acusações, o presidente do Senado, Renan Calheiros, reafirmou, numa nota, que jamais recebeu recursos ilegais ou "vantagens de quem quer que seja", e que "todas as doações de campanhas eleitorais ocorreram na forma da lei".

O senador Aécio Neves, candidato derrotado nas presidenciais de 2014, negou que tenha usado subornos para comprar apoio na Câmara dos Deputados, e acusou Sérgio Machado de fazer "acusações falsas e covardes" para "conquistar os benefícios de uma delação premiada".

  • 10 Minutos com Ana Catarina Mendes
    10:28

    10 Minutos

    A secretária geral adjunta do PS diz que não percebe porque é que o PSD levou tanto tempo a escolher o candidato à Câmara de Lisboa. Em entrevista no 10 Minutos da SIC Noticias, Ana Catarina Mendes considerou ainda que Pedro Passos Coelho não tem estado à altura de um líder da oposição. Quanto às legislativas, entende que o PS deve concorrer sozinho às eleições.

    Entrevista na íntegra

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.