sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Governo brasileiro empresta dinheiro ao Rio de Janeiro para evitar "mico"

O secretário executivo do Programa de Parcerias e Investimentos, Moreira Franco, disse hoje que o governo Federal vai emprestar dinheiro ao Rio de Janeiro para não passar vergonha internacional durante os jogos Olímpicos e Paralímpicos.

© Sergio Moraes / Reuters

"É necessário ajudar os servidores do Estado do Rio de Janeiro, não podemos pagar esse mico internacional. Assumimos compromissos para os Jogos Olímpicos na gestão anterior que não foram cumpridos", afirmou.

Na sexta-feira passada, a 49 dias do início dos Jogos, o governo do Rio de Janeiro decretou o "estado de calamidade" devido aos graves problemas financeiros que enfrenta.

Desde o final do ano passado, o Estado tem registado dificuldades em fazer os pagamentos devidos a trabalhadores e aposentados do setor público, e a manutenção de equipamentos de saúde, segurança e educação.

Questionado sobre o assunto, Moreira Franco, que estava num seminário sobre Segurança Jurídica e Governança na Contratação de Obras Públicas organizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), classificou a situação do Rio de Janeiro como "terrível".

"Creio que o governo do Presidente interino Michel Temer não vai aceitar que nós brasileiros paguemos esse mico no momento em que a imagem do Brasil está muito ruim. Ele acredita que essas circunstâncias impõem uma atitude de Governo federal", reforçou.

Para estancar esta grave crise financeira, o Governo federal já anunciou que pretende enviar, nos próximos dias, 2,9 mil milhões de reais (760 milhões de euros) ao Rio de Janeiro através de uma transferência extraordinária.

O Programa de Parcerias e Investimentos depende organicamente do gabinete do Presidente da República Michel Temer.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.