sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Romário pretende candidatar-se a presidente da Câmara do Rio de Janeiro

O antigo futebolista brasileiro Romário, atual senador, anunciou hoje que pretende candidatar-se a presidente da Câmara do Rio de Janeiro, no final do ano, pelo Partido Socialista (PSB).

© Ueslei Marcelino / Reuters

"Quando me candidatei ao lugar de senador, em 2014, muitos falaram da minha falta de experiência, o que até era verdade, mas conjuntura politica atual mostra que os mais experientes estão em vias de ir para a prisão, e essa experiência não a quero ter", declarou Romário, durante uma conferência de imprensa no Rio de Janeiro.

O 'baixinho' aludiu ao inquérito 'Lava Jacto' que fez emergir uma vasta rede de corrupção envolvendo o gigante petrolífero Petrobrás, que já levou à prisão de numerosos homens de negócios e de altos responsáveis políticos.

A 13 de junho passado, o Procurador da República solicitou ao Supremo Tribunal que inquirisse Romário, que tem feito da corrupção o seu 'cavalo de batalha', sobre um alegado donativo de 100 mil reais (26 mil euros) para a sua campanha eleitoral em 2014, por parte da empresa Oderbrecht, implicada no escândalo Petrobrás.

"Muitas coisas negativas sobre a minha conduta vão aparecer, mas posso afirmar que não dou nada a ninguém. Sei que será uma luta difícil, mas a minha vida nunca foi fácil", disse Romário, que cresceu na zona norte do Rio de Janeiro onde a pobreza reina.

A candidatura de Romário para substituir o atual presidente da Câmara do Rio, Eduardo Paes, do partido PMDB, de centro-direita, atualmente no poder, terá de ser ainda ratificada pelo seu partido, o PSB, de centro-esquerda.

Em maio passado, Romário pronunciou-se a favor da abertura de uma processo à Presidente Dilma Roussef no âmbito do processo de destituição que levou à suspensão das funções que exercia.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14