sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Perícia diz que Dilma Rousseff não cometeu um dos crimes de que é acusada

Uma perícia feita por técnicos do Senado (câmara alta parlamentar) a pedido da defesa da Presidente afastada Dilma Rousseff indicou hoje que ela não foi responsável por um dos crimes que sustenta o processo de 'impeachment' (destituição).

© Ueslei Marcelino / Reuters

Segundo os peritos, não existe prova de que a chefe de Estado tenha agido diretamente nas chamadas "pedaladas fiscais" (manobras que consistem no atraso de repasses de dinheiro devido pelo Governo aos bancos para melhorar as contas públicas) consideradas crimes na denúncia.

"Pela análise dos dados, dos documentos e das informações relativos ao Plano Safra, não foi identificado ato comissivo da Exma. Sra. Presidente da República que tenha contribuído direta ou imediatamente para que ocorressem os atrasos nos pagamentos", lê-se no relatório.

Por outro lado, os peritos indicaram que não há controvérsia na segunda acusação contra Dilma Rousseff, considerando que cometeu crime de responsabilidade ao libertar créditos suplementares sem o aval do Congresso em três decretos editados no ano passado, quando a meta fiscal de gastos já tinha sido ultrapassada.

Dilma Rousseff foi afastada no dia 12 de maio pelo Senado para responder às acusações de que teria cometido crime de responsabilidade.

Uma comissão especial formada por parlamentares da câmara alta está a analisar o processo de destituição e, atualmente, ouve testemunhas de defesa e de acusação arroladas no processo.

Pelo cronograma oficial, que ainda pode ser alterado, o plenário do Senado deve fazer a votação de um parecer prévio sobre as acusações contra Dilma Rousseff no dia 09 de agosto.

Depois a defesa e a acusação terão dois dias cada para se pronunciar. Passado este prazo o julgamento final será marcado em até dez dias.

Se o calendário for mantido, a Presidente brasileira deve ser julgada ainda no final de agosto.

São necessários ao menos 54 votos desfavoráveis de um total de 81 senadores para Dilma Rousseff ser destituída. Em caso de condenação ela também perderá o direito de se eleger a cargos públicos por oito anos.

Lusa

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.