sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Supremo brasileiro suspende acordo da Samarco com poder público

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspendeu o acordo entre o Governo federal e os Estados de Minas Gerais e do Espírito Santo com a mineradora Samarco, que em comunicado enviado hoje à Lusa revela que vai recorrer da decisão.

© Ricardo Moraes / Reuters

O anúncio da suspensão pelo STJ, feito quinta-feira, foi divulgado hoje na página deste órgão judicial na Internet.

Em causa está o pior desastre ambiental do Brasil, quando duas barragens da Samarco, perto da cidade de Mariana, se romperam a 05 de novembro do ano passado e a lama com resíduos da exploração de minério de ferro invadiu a localidade de Bento Rodrigues, destruindo casas e provocando 19 mortos.

O acordo visa criar um fundo de 20 mil milhões de reais (5,56 mil milhões de euros) para recuperar a Bacia do Rio Doce no espaço de 15 anos.

No comunicado enviado à Lusa, a Samarco - 'joint-venture' das mineradoras brasileira Vale e da anglo-australiana BHP Billiton -, salienta-se que "o acordo, assinado entre as partes no último mês de março e homologado em 05 de maio passado, prevê uma série de programas socioambientais e socioeconómicos de recuperação dos impactos causados pelo rompimento da barragem de Fundão".

A Samarco esclarece ainda que "a decisão não afeta as obrigações contidas no acordo, que continuarão sendo integralmente cumpridas, inclusive no que diz respeito à instituição da fundação de direito privado prevista no documento".

O pedido de suspensão foi apresentado pelo Ministério Público Federal, alegando que o acordo não tem legitimidade, por não terem sido ouvidas as pessoas prejudicadas diretamente pelo desastre ambiental.

Na decisão provisória, a magistrada Diva Malerbi entendeu que o Tribunal Regional Federal da 1.ª Região não poderia ter homologado o acordo, porque foi contra a decisão de que "a competência para julgar processos que envolvem a empresa Samarco no caso do rompimento da barragem é da 12.ª Vara da Justiça Federal de Minas Gerais".

Além disso, para a juíza, perante a dimensão dos danos, seria "recomendável o mais amplo debate" para a solução do problema, com a realização de audiências públicas com cidadãos, elementos da comunidade científica e representantes locais, segundo a nota do STJ divulgada hoje.

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.