sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Supremo brasileiro suspende acordo da Samarco com poder público

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspendeu o acordo entre o Governo federal e os Estados de Minas Gerais e do Espírito Santo com a mineradora Samarco, que em comunicado enviado hoje à Lusa revela que vai recorrer da decisão.

© Ricardo Moraes / Reuters

O anúncio da suspensão pelo STJ, feito quinta-feira, foi divulgado hoje na página deste órgão judicial na Internet.

Em causa está o pior desastre ambiental do Brasil, quando duas barragens da Samarco, perto da cidade de Mariana, se romperam a 05 de novembro do ano passado e a lama com resíduos da exploração de minério de ferro invadiu a localidade de Bento Rodrigues, destruindo casas e provocando 19 mortos.

O acordo visa criar um fundo de 20 mil milhões de reais (5,56 mil milhões de euros) para recuperar a Bacia do Rio Doce no espaço de 15 anos.

No comunicado enviado à Lusa, a Samarco - 'joint-venture' das mineradoras brasileira Vale e da anglo-australiana BHP Billiton -, salienta-se que "o acordo, assinado entre as partes no último mês de março e homologado em 05 de maio passado, prevê uma série de programas socioambientais e socioeconómicos de recuperação dos impactos causados pelo rompimento da barragem de Fundão".

A Samarco esclarece ainda que "a decisão não afeta as obrigações contidas no acordo, que continuarão sendo integralmente cumpridas, inclusive no que diz respeito à instituição da fundação de direito privado prevista no documento".

O pedido de suspensão foi apresentado pelo Ministério Público Federal, alegando que o acordo não tem legitimidade, por não terem sido ouvidas as pessoas prejudicadas diretamente pelo desastre ambiental.

Na decisão provisória, a magistrada Diva Malerbi entendeu que o Tribunal Regional Federal da 1.ª Região não poderia ter homologado o acordo, porque foi contra a decisão de que "a competência para julgar processos que envolvem a empresa Samarco no caso do rompimento da barragem é da 12.ª Vara da Justiça Federal de Minas Gerais".

Além disso, para a juíza, perante a dimensão dos danos, seria "recomendável o mais amplo debate" para a solução do problema, com a realização de audiências públicas com cidadãos, elementos da comunidade científica e representantes locais, segundo a nota do STJ divulgada hoje.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.