sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Rio de Janeiro não seria escolhido para acolher Jogos Olímpicos no cenário atual

O presidente do Comité Organizador Rio2016, Carlos Arthur Nuzman, admitiu, em entrevista ao jornal Globo de hoje, que, no cenário atual, o Rio de Janeiro não seria escolhido para sede dos Jogos Olímpicos de 2016.

© Ricardo Moraes / Reuters

"Em toda a candidatura, na hora que entra em processo de julgamento, todos os fatores são pesados na balança pelo Comité Olímpico Internacional. Na situação que hoje está, eu acho que o Rio não seria escolhido", afirmou.

Os Jogos Olímpicos 2016, que começam a 05 de agosto, estão a ser marcados por graves crises económica e política no Brasil, pela falência do governo do Estado do Rio de Janeiro e por sucessivos episódios de violência na cidade que vai acolher o maior evento desportivo do mundo.

O responsável lembrou que vários locais "já tiveram problemas antes dos Jogos"; como Londres (2012), que "ganhou os Jogos e, no dia seguinte, teve um atentado no metropolitano".

Carlos Arthur Nuzman reconheceu ainda que a situação do país faz com que a população brasileira não esteja tão envolvida no evento como seria de esperar.

Questionado sobre a segurança durante os Jogos Olímpicos, uma área afetada pela falência do governo estadual, o presidente do Comité Organizador Rio 2016 vincou que "o projeto de segurança para os Jogos é muito bom", citando especialistas.

Contudo, advertiu, tendo em conta o historial do evento, "ninguém está imune a um lobo solitário", dando o exemplo do caso dos Estados Unidos, que possuíam talvez o "maior esquema de segurança" e tiveram duas bombas em Atlanta em 1996.

O responsável lamentou ainda o facto de o Rio de Janeiro estar sem laboratório para fazer análises antidoping a um mês dos Jogos, depois de a Agência Mundial Antidoping (AMA) o ter suspendido por não cumprir os requisitos internacionais.

"A AMA tinha aprovado, houve um erro e suspenderam. A AMA vem fazer a inspeção e esperamos que tenha uma solução positiva. O laboratório é espetacular", referiu.

Carlos Arthur Nuzman frisou também que "nenhum comité organizador chega a um mês dos Jogos sem atrasar nenhum pagamento", acrescentando: "Deveríamos ser elogiados. E sem dinheiro público".

Porém, não garantiu que as contas serão fechadas sem recorrer a dinheiro público, compromisso assumido desde o início.

O comité já transferiu para o poder público, pelo menos, o pagamento pelo sistema de geradores de energia, estimado em quase 500 milhões de reais (136,7 milhões de euros), segundo o jornal.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.