sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Rio de Janeiro não seria escolhido para acolher Jogos Olímpicos no cenário atual

O presidente do Comité Organizador Rio2016, Carlos Arthur Nuzman, admitiu, em entrevista ao jornal Globo de hoje, que, no cenário atual, o Rio de Janeiro não seria escolhido para sede dos Jogos Olímpicos de 2016.

© Ricardo Moraes / Reuters

"Em toda a candidatura, na hora que entra em processo de julgamento, todos os fatores são pesados na balança pelo Comité Olímpico Internacional. Na situação que hoje está, eu acho que o Rio não seria escolhido", afirmou.

Os Jogos Olímpicos 2016, que começam a 05 de agosto, estão a ser marcados por graves crises económica e política no Brasil, pela falência do governo do Estado do Rio de Janeiro e por sucessivos episódios de violência na cidade que vai acolher o maior evento desportivo do mundo.

O responsável lembrou que vários locais "já tiveram problemas antes dos Jogos"; como Londres (2012), que "ganhou os Jogos e, no dia seguinte, teve um atentado no metropolitano".

Carlos Arthur Nuzman reconheceu ainda que a situação do país faz com que a população brasileira não esteja tão envolvida no evento como seria de esperar.

Questionado sobre a segurança durante os Jogos Olímpicos, uma área afetada pela falência do governo estadual, o presidente do Comité Organizador Rio 2016 vincou que "o projeto de segurança para os Jogos é muito bom", citando especialistas.

Contudo, advertiu, tendo em conta o historial do evento, "ninguém está imune a um lobo solitário", dando o exemplo do caso dos Estados Unidos, que possuíam talvez o "maior esquema de segurança" e tiveram duas bombas em Atlanta em 1996.

O responsável lamentou ainda o facto de o Rio de Janeiro estar sem laboratório para fazer análises antidoping a um mês dos Jogos, depois de a Agência Mundial Antidoping (AMA) o ter suspendido por não cumprir os requisitos internacionais.

"A AMA tinha aprovado, houve um erro e suspenderam. A AMA vem fazer a inspeção e esperamos que tenha uma solução positiva. O laboratório é espetacular", referiu.

Carlos Arthur Nuzman frisou também que "nenhum comité organizador chega a um mês dos Jogos sem atrasar nenhum pagamento", acrescentando: "Deveríamos ser elogiados. E sem dinheiro público".

Porém, não garantiu que as contas serão fechadas sem recorrer a dinheiro público, compromisso assumido desde o início.

O comité já transferiu para o poder público, pelo menos, o pagamento pelo sistema de geradores de energia, estimado em quase 500 milhões de reais (136,7 milhões de euros), segundo o jornal.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.