sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Defesa de Lula acusa juiz de parcialidade e pede afastamento

A defesa do ex-Presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva solicitou na terça-feira o afastamento do juiz Sérgio Moro do caso judicial que o envolve por considerar que o magistrado demonstrou falta de imparcialidade.

© Adriano Machado / Reuters

Lula da Silva, presidente do Brasil entre 2003 e 2010, é suspeito de ter beneficiado da rede de corrupção em torno da empresa pública petrolífera Petrobras.

No fim de junho, Sérgio Moro reativou todos os inquéritos contra Lula da Silva na operação Lava Jato. Após receber sinal verde do Supremo Tribunal Federal, o magistrado retomou investigações que envolvem o ex-presidente em supostos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro na compra e remodelação de imóveis, em remunerações por palestras e em doações ao Instituto Lula.

Lula da Silva "não teme ser investigado nem julgado", "quer justiça e um julgamento imparcial, simplesmente", declararam os seus advogados num comunicado citado na terça-feira pela imprensa brasileira.

Segundo os advogados, "a defesa de Lula age em defesa do Estado Democrático de Direito e dos valores a ele inerentes, como o direito ao juiz natural e imparcial e à presunção de inocência".

Para a defesa de Lula, o juiz praticou "atos arbitrários" contra o ex-Presidente como "a privação da liberdade imposta ao ex-Presidente sem qualquer previsão legal", em junho passado, "para forçá-lo a prestar depoimento no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, (...) mesmo não tendo ele se recusado a atender a qualquer intimação anterior".

Outro "ato arbitrário" do juiz, segundo os advogados do ex-Presidente, foi "o levantamento do sigilo de conversas intercetadas de Lula e dos seus familiares, embora a lei imponha tal sigilo sem qualquer exceção e estabeleça que a sua inobservância configura crime, além de poder, em tese, configurar abuso de autoridade".

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04
  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.