sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Supremo vai analisar parte das escutas a Lula da Silva na Lava Jato

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil, Ricardo Lewandowski, determinou na segunda-feira que parte das gravações telefónicas no âmbito da Operação Lava Jato entre o ex-Presidente Lula da Silva e políticos serão analisadas nesta instância.

© Ricardo Moraes / Reuters

Caberá ao juiz do STF Teori Zavascki, relator nesta instãncia dos processos da Operação Lava Jato - que investiga o maior esquema de corrupção da história do Brasil, envolvendo dezenas de políticos e várias empresas -, julgar a validade das escutas telefónicas de conversas de Lula da Silva com políticos com foro privilegiado (que só podem ser investigados pelo Supremo).

No entanto, os áudios ainda ficam sob os cuidados do juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato em primeira instância, em Curitiba, no estado do Paraná, porque Teori Zavascki só irá analisar a legalidade das escutas a partir de 01 de agosto.

Os advogados do ex-presidente pediram, de forma provisória, que toda a investigação sobre Lula da Silva volte a tramitar no STF porque os parlamentares citados em diálogos com o antigo chefe de Estado têm foro privilegiado.

"Convém que, por ora, as gravações apontadas como ilegais permaneçam sob sigilo e isoladas dos demais elementos de prova já colhidos nos demais processos em curso na instância de piso, até o exame definitivo da presente reclamação pelo ministro Teori Zavascki", decidiu o presidente do STF.

As investigações sobre o ex-Presidente foram remetidas para Sérgio Moro em junho, após uma decisão de Teori Zavascki, que anulou uma gravação, feita no âmbito da Lava Jato, de uma conversa telefónica entre Lula da Silva e a então Presidente em exercício, Dilma Rousseff.

No entendimento de Teori Zavascki, Sérgio Moro usurpou a competência da Supremo, ao levantar o sigilo das conversas.

Contudo, as restantes provas, como conversas envolvendo políticos, foram devolvidas ao juiz.

Lusa

  • Lei existe há quatro anos mas não tem regulamentação
    2:03
  • Dijsselbloem mostra algum arrependimento mas recusa demitir-se
    2:40

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas escusa-se a comentar essa possibilidade. Para já, o holandês não se demite do cargo. Esta quinta-feira ouviu as críticas dos eurodeputados no Parlamento Europeu.

  • Há cada vez menos portugueses

    País

    A população em Portugal diminuiu no ano passado, pelo oitavo ano consecutivo, já que o número de mortes continua a ser superior ao de nascimentos, revelam dados hoje divulgados pelo INE.

  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.