sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Dilma nega ter autorizado pagamentos não declarados a publicitários

© Ueslei Marcelino / Reuters

A Presidente brasileira com mandato suspenso, Dilma Rousseff, disse hoje que não autorizou pagamentos de dinheiro não declarado a publicitários durante a campanha eleitoral de 2010.

O publicitário João Santana e a mulher, Mônica Moura, admitiram na quinta-feira, perante o juiz que investiga a Operação Lava Jato, terem recebido dinheiro não declarado da campanha de Dilma Rousseff.

Mônica Moura, citada pela imprensa brasileira, disse que depósitos de 4,5 milhões de dólares (4,08 milhões de euros) feitos pelo empresário Zwi Skornicki na conta do publicitário na Suíça eram destinados a pagar dívidas da campanha presidencial de 2010, sem serem declaradas à Justiça Eleitoral.

"Ficou uma dívida de quase 10 milhões de reais [2,77 milhões de euros], que não foi paga, foi protelada. Cobrei muito, eu fiquei com muitas dívidas. Depois de dois anos de luta conversei com o Vaccari [João Vaccari Neto, tesoureiro do Partido dos Trabalhadores], que era quem acertava comigo os pagamentos de campanha, e ele mandou-me procurar um empresário que queria colaborar", disse.

No depoimento perante o juiz Sérgio Moro, os dois publicitários negaram saber se o dinheiro tinha como origem subornos de contratos da Petrobras, o que foi admitido por Zwi Skornicki, que representava o estaleiro Keppel Fels.

Em entrevista à Rádio Jornal de Pernambuco, Dilma Rousseff respondeu que não está preocupada com a questão, porque "nunca" autorizou pagamentos não declarados a ninguém.

"Pelo contrário, na minha campanha, eu procurei sempre pagar só o valor que achava que lhe devia. Se houve pagamento de 'caixa 2' para alguém, não tenho conhecimento", sublinhou.

Detidos desde fevereiro, João Santana e Mônica Moura são arguidos na Operação Lava Jato, que investiga o maior esquema de corrupção na história do Brasil, que envolve várias empresas, entre elas a petrolífera estatal Petrobras.


Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.