sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Dilma nega ter autorizado pagamentos não declarados a publicitários

© Ueslei Marcelino / Reuters

A Presidente brasileira com mandato suspenso, Dilma Rousseff, disse hoje que não autorizou pagamentos de dinheiro não declarado a publicitários durante a campanha eleitoral de 2010.

O publicitário João Santana e a mulher, Mônica Moura, admitiram na quinta-feira, perante o juiz que investiga a Operação Lava Jato, terem recebido dinheiro não declarado da campanha de Dilma Rousseff.

Mônica Moura, citada pela imprensa brasileira, disse que depósitos de 4,5 milhões de dólares (4,08 milhões de euros) feitos pelo empresário Zwi Skornicki na conta do publicitário na Suíça eram destinados a pagar dívidas da campanha presidencial de 2010, sem serem declaradas à Justiça Eleitoral.

"Ficou uma dívida de quase 10 milhões de reais [2,77 milhões de euros], que não foi paga, foi protelada. Cobrei muito, eu fiquei com muitas dívidas. Depois de dois anos de luta conversei com o Vaccari [João Vaccari Neto, tesoureiro do Partido dos Trabalhadores], que era quem acertava comigo os pagamentos de campanha, e ele mandou-me procurar um empresário que queria colaborar", disse.

No depoimento perante o juiz Sérgio Moro, os dois publicitários negaram saber se o dinheiro tinha como origem subornos de contratos da Petrobras, o que foi admitido por Zwi Skornicki, que representava o estaleiro Keppel Fels.

Em entrevista à Rádio Jornal de Pernambuco, Dilma Rousseff respondeu que não está preocupada com a questão, porque "nunca" autorizou pagamentos não declarados a ninguém.

"Pelo contrário, na minha campanha, eu procurei sempre pagar só o valor que achava que lhe devia. Se houve pagamento de 'caixa 2' para alguém, não tenho conhecimento", sublinhou.

Detidos desde fevereiro, João Santana e Mônica Moura são arguidos na Operação Lava Jato, que investiga o maior esquema de corrupção na história do Brasil, que envolve várias empresas, entre elas a petrolífera estatal Petrobras.


Lusa

  • 10 Minutos com Ana Catarina Mendes
    10:28

    10 Minutos

    A secretária geral adjunta do PS diz que não percebe porque é que o PSD levou tanto tempo a escolher o candidato à Câmara de Lisboa. Em entrevista no 10 Minutos da SIC Noticias, Ana Catarina Mendes considerou ainda que Pedro Passos Coelho não tem estado à altura de um líder da oposição. Quanto às legislativas, entende que o PS deve concorrer sozinho às eleições.

    Entrevista na íntegra

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.