sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Dilma nega ter autorizado pagamentos não declarados a publicitários

© Ueslei Marcelino / Reuters

A Presidente brasileira com mandato suspenso, Dilma Rousseff, disse hoje que não autorizou pagamentos de dinheiro não declarado a publicitários durante a campanha eleitoral de 2010.

O publicitário João Santana e a mulher, Mônica Moura, admitiram na quinta-feira, perante o juiz que investiga a Operação Lava Jato, terem recebido dinheiro não declarado da campanha de Dilma Rousseff.

Mônica Moura, citada pela imprensa brasileira, disse que depósitos de 4,5 milhões de dólares (4,08 milhões de euros) feitos pelo empresário Zwi Skornicki na conta do publicitário na Suíça eram destinados a pagar dívidas da campanha presidencial de 2010, sem serem declaradas à Justiça Eleitoral.

"Ficou uma dívida de quase 10 milhões de reais [2,77 milhões de euros], que não foi paga, foi protelada. Cobrei muito, eu fiquei com muitas dívidas. Depois de dois anos de luta conversei com o Vaccari [João Vaccari Neto, tesoureiro do Partido dos Trabalhadores], que era quem acertava comigo os pagamentos de campanha, e ele mandou-me procurar um empresário que queria colaborar", disse.

No depoimento perante o juiz Sérgio Moro, os dois publicitários negaram saber se o dinheiro tinha como origem subornos de contratos da Petrobras, o que foi admitido por Zwi Skornicki, que representava o estaleiro Keppel Fels.

Em entrevista à Rádio Jornal de Pernambuco, Dilma Rousseff respondeu que não está preocupada com a questão, porque "nunca" autorizou pagamentos não declarados a ninguém.

"Pelo contrário, na minha campanha, eu procurei sempre pagar só o valor que achava que lhe devia. Se houve pagamento de 'caixa 2' para alguém, não tenho conhecimento", sublinhou.

Detidos desde fevereiro, João Santana e Mônica Moura são arguidos na Operação Lava Jato, que investiga o maior esquema de corrupção na história do Brasil, que envolve várias empresas, entre elas a petrolífera estatal Petrobras.


Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.