sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Responsável pela operação Lava Jato critica penas brandas para corruptos no Brasil

O juiz Sergio Moro, responsável em julgar na primeira instância os processos contra os acusados de cometerem crimes descobertos pela Operação Lava Jato na Petrobras, defendeu a revisão das penas mínimas aplicadas em casos de corrupção no Brasil.

Citando o branqueamento de capitais, punido com penas consideradas por ele brandas, Sergio Moro afirmou que "com penas mínimas, que partem de dois anos, há grande chance deste crime não ser combatido de forma proporcional".

O juiz brasileiro participou numa audiência pública no Congresso Nacional, em Brasília, que tratou de um conjunto de leis para o combate à corrupção que foi proposto pelo Ministério Público Federal (MPF), e contou com a assinatura de mais de 2 milhões de brasileiros.

Estas leis são conhecidas pelo nome de "10 medidas contra a corrupção" e defendem, entre outras coisas, a prisão de funcionários públicos que tiverem património incompatível com os seus rendimentos, o aumento das penas aplicadas em casos de corrupção, a reforma no sistema de prescrição penal e responsabilização criminal dos partidos que receberem recursos ilícitos em campanhas eleitorais.

Na sua intervenção, o juiz criticou duramente a falta de criminalização do "caixa pois" (saco azul), ato que consiste na doação irregular de dinheiro feita no Brasil a partidos e campanhas eleitorais.

Ele classificou esta prática de "trapaça".

"Acho que 'caixa 2' é visto como ilícito menor, mas é trapaça. A meu ver, não existe justificativa ética para essa conduta", disse.

Sergio Moro também se manifestou contra o foro privilegiado, um dispositivo da Constituição brasileira que prevê que membros do executivo, legislativo e também do judiciário acusados de crimes no exercício do cargo só podem ser julgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

"O foro privilegiado fere a ideia básica da democracia de que todos devem ser tratados como iguais. Acho que não existe muita razão para termos foro privilegiado", concluiu.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.