sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Senado decide hoje se Dilma vai a julgamento

​O plenário do Senado do Brasil decide hoje se a Presidente com mandato suspenso, Dilma Rousseff, vai a julgamento final, numa sessão que deve prolongar-se por cerca de 20 horas.

A votação, com início previsto para as 09h00 locais (13h00 em Lisboa), encerra a fase de pronúncia, segunda etapa do processo de destituição, e será comandada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski.

Dilma Rousseff é acusada de ter cometido crime de responsabilidade ao praticar manobras fiscais com a intenção de melhorar as contas públicas e assinar decretos a autorizar despesas que não estavam previstas no orçamento.

Os senadores vão votar o relatório final do relator Antonio Anastasia, do Partido Social Democrata Brasileiro (PSDB), que é favorável à continuidade do processo e que foi aprovado pela comissão especial do impeachment na quinta-feira.

Na sessão de hoje, depois de Antonio Anastasia apresentar o seu relatório, os demais senadores terão direito a falar por até dez minutos cada, segundo a Agência Senado.

A acusação e a defesa falarão por último, tendo direito a 30 minutos cada, ocorrendo, depois, a votação nominal e aberta, por painel eletrónico, sendo necessária uma maioria simples para prosseguir com o processo.

Nesta fase do impeachment, os senadores votam apenas se a denúncia é pertinente e se Dilma Rousseff deve ir a julgamento, sem deliberar sobre o mérito das acusações.

Se o processo prosseguir, a acusação tem 48 horas para apresentar um resumo dos argumentos a favor da condenação da Presidente e a lista de testemunhas que vão participar da fase final do processo.

Posteriormente, a defesa terá o mesmo prazo para apresentar os seus argumentos e as suas testemunhas.

O presidente do STF tem que esperar dez dias para marcar a data do julgamento, que deve acontecer no final do mês, após os Jogos Olímpicos 2016, do Rio de Janeiro, e durar cerca de uma semana.

Se a Presidente brasileira com mandato suspenso for condenada nesta última etapa do processo, por pelo menos 54 do total de 81 senadores, será considerada culpada, e perderá o direito de ocupar cargos públicos eletivos durante oito anos.

Tal como aconteceu durante o pedido de destituição de Dilma Rousseff, aprovado pela Câmara dos Deputados e pelo Senado em abril e maio, respetivamente, são esperadas manifestações pró e contra o impeachment, sobretudo numa altura em que o Brasil goza de visibilidade internacional devido aos Jogos Olímpicos 2016.

A 31 de julho, milhares de pessoas de vários movimentos contra e a favor do processo voltaram às ruas, apostando em mensagens em inglês para aproveitar a presença internacional, mas os protestos foram menos expressivos do que os registados antes da aprovação do pedido de 'impeachment'.

A Frente Brasil Popular iniciou os protestos junto ao Senado segunda-feira à tarde e vai iniciar a jornada de manifestações de hoje às 09h00 horas, acompanhando o início dos trabalhos no Senado.

O movimento a favor de Dilma Rousseff, que apelida o impeachment de golpe e está contra o Presidente interino, Michel Temer, que substituiu Dilma Rousseff a 12 de maio, conta também manifestar-se noutros 15 locais do Brasil.

O movimento Vem Pra Rua, que tem levado milhares de pessoas às ruas contra Dilma Rousseff, decidiu não protestar nesta fase, depois da manifestação de 31 de julho.

A Polícia Militar informou que os manifestantes pró e contra Dilma Rousseff vão estar separados por viaturas e não por um longo muro, como aconteceu em abril.

De acordo com a estimativa da polícia, "haverá no máximo 5.000 pessoas em frente ao Congresso Nacional", em Brasília.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.