sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Manifestantes invadem ministério e atacam autocarro da polícia em Brasília

Movimentos sociais invadiram, na segunda-feira, o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, em Brasília, capital do Brasil, e envolveram-se em confrontos com a Polícia Militar, danificando um autocarro das forças de segurança.

Fonte da Polícia Militar do Distrito Federal disse à agência Lusa que cerca de 300 manifestantes chegaram ao local bem cedo, por volta da 06:30 horas (10:30 de Lisboa), "ocuparam o terreno e quebraram a vidraça da portaria do Ministério para forçar a entrada", sendo que 150 pessoas conseguiram invadir o átrio do edifício.

Depois disso, "começou a negociação" com a Polícia Militar e os ânimos acalmaram "bastante", segundo a fonte policial.

De acordo com informações da mesma força de segurança, da parte da tarde, durante a negociação para retirar o grupo que ainda estava dentro do edifício, um outro grupo "tentou entrar novamente [no Ministério] e houve confrontos com a Polícia Militar, que teve de usar gás" lacrimogéneo.

Duas pessoas acabaram detidas por lançarem pedras partindo os vidros de um autocarro da Polícia Militar, bem como uma terceira, que foi mais tarde identificada através do circuito de segurança do local, por ter "quebrado a vidraça do prédio" durante a manhã.

Os manifestantes do Movimento Brasileiro dos Sem Terra (MBST) e da Frente Nacional de Luta (FNL) protestavam contra o presidente interino, Michel Temer, e pediam políticas públicas para os trabalhadores do campo, segundo a imprensa brasileira.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".