sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Troca acesa de palavras obriga à interrupção do julgamento de Dilma

O segundo dia do julgamento do processo de destituição da Presidente com mandato suspenso Dilma Rousseff começou com muitas discussões, que causaram uma interrupção da sessão no plenário do Senado (Câmara alta parlamentar) até ao início da tarde.

A polémica começou logo na abertura dos trabalhos, quando a advogada de acusação Janaina Paschoal e os senadores que apoiam o 'impeachment' (destituição) contestaram uma das testemunhas de defesa, a ex-secretária de Orçamento Esther Dweck, dizendo que ela estaria comprometida já que foi recentemente nomeada assessora da senadora do Partido dos Trabalhadores (PT) Gleisi Hoffmann.

O advogado da defesa José Eduardo Cardozo criticou a insinuação.

"Na política a vingança é sempre maligna. Há intenção de desqualificar a professora Esther Dweck. Ela participou diretamente dos processos dos decretos [usados como base da denúncia com Dilma Rousseff para provar que ela cometeu crime ao autorizar despesas não previstas no orçamento], tem grande informação a respeito e, por isso, foi chamada como testemunha", disse José Eduardo Cardozo.

Apesar de mostrar descontentamento com a acusação, José Eduardo Cardozo comunicou os senadores que a defesa desistiu de ouvir Esther Dweck para evitar eventuais constrangimentos.

Mesmo assim, os senadores Ronaldo Caiado, um dos maiores defensores do 'impeachment', e Lindbergh Farias, que apoia Dilma Rousseff, continuaram a discutir no plenário, o que levou o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, que preside ao julgamento, a ameaçar desligar os microfones.

Neste momento a sessão foi interrompida por cinco minutos. No reinício, o presidente do Senado, Renan Calheiros, pediu a palavra para solicitar aos parlamentares que reduzissem intervenções repetidas.

No meio da sua intervenção, porém, ele acabou aumentando a tensão ao lembrar uma declaração feita pela senadora Gleisi Hoffmann, que disse quinta-feira no primeiro dia do julgamento que nenhum senador tinha moral para julgar Dilma Rousseff.

"Ontem (quinta-feira) a senadora Gleisi [Hoffmann] chegou ao cumulo de dizer que o Senado Federal não tinha moral para julgar a Presidente da República. Como a senadora pode fazer uma declaração destas, exatamente uma senadora que há 30 dias conseguiu que o Presidente do Senado revertesse no Supremo Tribunal Federal o indiciamento dela e de seu esposo, que havia sido feito pela polícia federal", declarou.

Estas palavras foram contestadas por Gleisi Hoffmann e outros apoiantes de Dilma Rousseff gerando novca troca acesa de palavras.

Face a aumento da confusão, o presidente do Supremo Tribunal Federal decidiu suspender a sessão até às 13:00 (17:00 Lisboa), sem ter ouvido a primeira das seis testemunhas de defesa inscritas para falar hoje.

A etapa final do processo de 'impeachment' acontece nove meses depois que uma denúncia contra Dilma Rousseff foi aceite na Câmara dos Deputados.

A Presidente com mandato suspenso é acusada de ter cometido crime de responsabilidade ao praticar manobras fiscais para melhorar as contas públicas e assinar decretos a autorizar despesas que não estavam previstas no orçamento.

Se 54 dos 81 senadores entenderem que a Presidente suspensa cometeu estes crimes, Dilma Rousseff perderá definitivamente o mandato e o direito a ocupar cargos públicos eletivos por oito anos, assumindo Michel Temer, atual Presidente interino, a liderança do país até às presidenciais de 2018.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.