sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Troca acesa de palavras obriga à interrupção do julgamento de Dilma

O segundo dia do julgamento do processo de destituição da Presidente com mandato suspenso Dilma Rousseff começou com muitas discussões, que causaram uma interrupção da sessão no plenário do Senado (Câmara alta parlamentar) até ao início da tarde.

A polémica começou logo na abertura dos trabalhos, quando a advogada de acusação Janaina Paschoal e os senadores que apoiam o 'impeachment' (destituição) contestaram uma das testemunhas de defesa, a ex-secretária de Orçamento Esther Dweck, dizendo que ela estaria comprometida já que foi recentemente nomeada assessora da senadora do Partido dos Trabalhadores (PT) Gleisi Hoffmann.

O advogado da defesa José Eduardo Cardozo criticou a insinuação.

"Na política a vingança é sempre maligna. Há intenção de desqualificar a professora Esther Dweck. Ela participou diretamente dos processos dos decretos [usados como base da denúncia com Dilma Rousseff para provar que ela cometeu crime ao autorizar despesas não previstas no orçamento], tem grande informação a respeito e, por isso, foi chamada como testemunha", disse José Eduardo Cardozo.

Apesar de mostrar descontentamento com a acusação, José Eduardo Cardozo comunicou os senadores que a defesa desistiu de ouvir Esther Dweck para evitar eventuais constrangimentos.

Mesmo assim, os senadores Ronaldo Caiado, um dos maiores defensores do 'impeachment', e Lindbergh Farias, que apoia Dilma Rousseff, continuaram a discutir no plenário, o que levou o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, que preside ao julgamento, a ameaçar desligar os microfones.

Neste momento a sessão foi interrompida por cinco minutos. No reinício, o presidente do Senado, Renan Calheiros, pediu a palavra para solicitar aos parlamentares que reduzissem intervenções repetidas.

No meio da sua intervenção, porém, ele acabou aumentando a tensão ao lembrar uma declaração feita pela senadora Gleisi Hoffmann, que disse quinta-feira no primeiro dia do julgamento que nenhum senador tinha moral para julgar Dilma Rousseff.

"Ontem (quinta-feira) a senadora Gleisi [Hoffmann] chegou ao cumulo de dizer que o Senado Federal não tinha moral para julgar a Presidente da República. Como a senadora pode fazer uma declaração destas, exatamente uma senadora que há 30 dias conseguiu que o Presidente do Senado revertesse no Supremo Tribunal Federal o indiciamento dela e de seu esposo, que havia sido feito pela polícia federal", declarou.

Estas palavras foram contestadas por Gleisi Hoffmann e outros apoiantes de Dilma Rousseff gerando novca troca acesa de palavras.

Face a aumento da confusão, o presidente do Supremo Tribunal Federal decidiu suspender a sessão até às 13:00 (17:00 Lisboa), sem ter ouvido a primeira das seis testemunhas de defesa inscritas para falar hoje.

A etapa final do processo de 'impeachment' acontece nove meses depois que uma denúncia contra Dilma Rousseff foi aceite na Câmara dos Deputados.

A Presidente com mandato suspenso é acusada de ter cometido crime de responsabilidade ao praticar manobras fiscais para melhorar as contas públicas e assinar decretos a autorizar despesas que não estavam previstas no orçamento.

Se 54 dos 81 senadores entenderem que a Presidente suspensa cometeu estes crimes, Dilma Rousseff perderá definitivamente o mandato e o direito a ocupar cargos públicos eletivos por oito anos, assumindo Michel Temer, atual Presidente interino, a liderança do país até às presidenciais de 2018.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59