sicnot

Perfil

Operação Lava Jato

"O que está em jogo no impechament é o respeito pelas urnas"

"O que está em jogo no impechament é o respeito pelas urnas"

Durante o discurso de defesa contra o impeachment, Dilma Rousseff falou sobre o que estava em jogo no processo: desde o "respeito pelas urnas" às "conquistas dos últimos 13 anos". Dilma chegou a emocionar-se quando falou nas previsões pessimistas que muito tinham sobre os Jogos Olímpicos no Brasil.

"São pretextos (as denúncias citadas do processo de destituição), apenas pretextos, para derrubar, por meio de um processo de impeachment sem crime de responsabilidade, um governo legítimo, escolhido em eleição direta com a participação de 110 milhões de brasileiros e brasileiras. São pretextos para viabilizar um golpe na Constituição. Um golpe que, se consumado, resultará na eleição indireta de um governo usurpador", frisou.

Sobre as denúncias que balizam a acusação, Dilma Rousseff afirmou que os decretos de crédito suplementar sem autorização legislativa respeitaram todas as regras legais.

"Respeitamos a previsão contida na Constituição, a meta definida na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e as autorizações estabelecidas no artigo 4.° da Lei Orçamentária de 2015, aprovadas pelo Congresso Nacional", disse.

No que se refere às chamadas "pedaladas fiscais", que consistem no atraso do pagamento de débitos do Governo Federal junto da banca pública, Dilma Rousseff alegou que a execução do Plano Safra (onde teriam acontecido os atrasos referidos no processo) é regida por uma lei de 1992, que atribui todos os atos do plano ao Ministério da Fazenda.

Dilma Rousseff também fez duras críticas aos parlamentares brasileiros: "Só é possível compreender a gravidade da crise que assola o Brasil desde 2015, levando-se em consideração a instabilidade política aguda que, desde a minha reeleição, tem caracterizado o ambiente em que ocorrem o investimento e a produção de bens e serviços. Não se procurou discutir e aprovar uma melhor proposta para o país. O que se pretendeu permanentemente foi a afirmação do quanto pior melhor, na busca obsessiva de se desgastar o governo, pouco importando os resultados danosos desta questionável ação política para toda a população".

Acusou ainda que apoiam o impeachment de "tentar fazer a eleição indireta de um governo que, já na sua interinidade, não tem mulheres comandando seus ministérios, quando o povo, nas urnas, escolheu uma mulher para comandar o país. Um governo que dispensa os negros na sua composição ministerial e já revelou um profundo desprezo pelo programa escolhido pelo povo em 2014".

Sem deixar de citar seu substituto, destacou que as propostas já divulgadas pelo Governo de Michel Temer são um verdadeiro ataque às conquistas sociais do Brasil nos últimos anos.

No final da sua intervenção, Dilma Rousseff apelou a todos os senadores pedindo-lhes que não aceitem um golpe que, em vez de solucionar, agravará a crise brasileira.

"Peço que façam justiça a uma Presidente honesta, que jamais cometeu qualquer ato ilegal, na vida pessoal ou nas funções públicas que exerceu. Votem sem ressentimento. O que cada senador sente por mim e o que nós sentimos uns pelos outros importa menos, neste momento, do que aquilo que todos sentimos pelo país e pelo povo brasileiro", concluiu.

Com Lusa

  • "Para ele, um 'não' não foi suficiente"
    3:39
  • Isabel II e Filipe de Edimburgo celebram 70 anos de casamento
    0:44

    Mundo

    A rainha Isabel II de Inglaterra e Filipe de Edimburgo celebram hoje 70 anos de casamento. Em dia de comemoração, o Palácio de Buckingham divulgou novas fotografias do casal cuja união é a mais duradora dentro das casas reais. Isabel casou com 21 anos. Seis anos depois foi coroada rainha por ocasião da morte do pai. A rainha e o marido têm quatro filhos, entre eles o herdeiro ao trono, Carlos, oito netos e cinco bisnetos.

  • Um negócio familiar destruído pelas chamas
    8:36
  • "Diálogos" de Catarina Neves duplamente premiado no festival Muvi
    2:12