sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Polícia usa bombas de gás lacrimogéneo contra manifestantes a favor de Dilma

Fernando Bizerra Jr.

Agentes da Polícia Militar usaram bombas de gás lacrimogéneo contra manifestantes contrários à destituição da Presidente suspensa, Dilma Rousseff, que protestavam segunda-feira no centro de São Paulo, no Brasil.

Luciana Venezian, de 35 anos, foi até à Avenida Paulista tentar acompanhar o protesto e disse à agência Lusa que o clima estava tenso, com muitos agentes fazendo duas linhas de barreiras para impedir os manifestantes de se movimentarem.

"Os policiais estavam soltando bombas de gás na direção dos manifestantes concentrados na frente do MASP [Museu de Arte de São Paulo]. Acho que a intenção da polícia é acabar com o protesto", relatou.

O grupo, convocado pelos movimentos Povo Sem Medo e pela Frente Brasil Popular, ocupava os dois sentidos da Avenida Paulista, a principal avenida da cidade de São Paulo, quando foi bloqueado pela polícia.

Segundo o major Teles, citado pelo portal de notícias G1, o bloqueio ocorreu porque os manifestantes não informaram o itinerário da marcha.

Imagens difundidas pela imprensa local mostram manifestantes a colocar fogo em latas de lixo e garrafas na Avenida Paulista.

Segundo o G1, ocorreram protestos contra o afastamento da Presidente com mandato suspenso em, pelo menos, nove estados - Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, São Paulo - e no Distrito Federal, onde fica a capital, Brasília.

No centro de Brasília, centenas de pessoas realizaram uma marcha ao final da tarde para apoiar a Presidente.

Da parte da manhã, manifestantes levaram rosas, que têm sido apresentadas como um símbolo da democracia e de resistência, e faixas em apoio a Dilma Rousseff para junto do Senado.

Os protestos foram convocados por movimentos sociais e sindicatos, que também criticam o governo interino, liderado por Michel Temer.

Dilma Rousseff foi esta segunda-feira ao Senado responder às perguntas dos senadores no âmbito de um processo que deverá afastá-la definitivamente da Presidência e que tem dividido a população brasileira.

Lusa

  • Dilma emociona-se perante o Senado
    1:53

    Operação Lava Jato

    Dilma Rousseff chegou ao Senado acompanhada por Lula da Silva e recebida por centenas de apoiantes. Perante a sua defesa diz que não cometeu nenhum crime e repete que está a ser alvo de perseguição por parte das elites brasileiras, que não querem perder privilégios. A presidente suspensa do Brasil emocionou-se perante o Senado ao referir os Jogos Olímpicos como exemplo de capacidade empreendedora. O futuro de Dilma deve ser conhecido já nesta terça-feira.

  • "Viola-se a democracia e pune-se uma inocente"
    2:16

    Operação Lava Jato

    Dilma Rousseff apresentou esta segunda-feira a própria defesa perante o senado brasileiro, no âmbito do processo de destituição. A Presidente, com mandato suspenso, apela a que se faça justiça em nome da democracia. Dilma diz que se está a violar a demoracia e a punir uma inocente.

  • E os nomeados são... conhecidos hoje

    Cultura

    São, esta terça-feira, conhecidos os nomeados para os Óscares. O anúncio vai ser feito a partir de Los Angeles quando forem 13h00 em Lisboa e seguido em direto numa emissão especial da SIC Notícias.

    Aqui a partir das 13:00

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.