sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Deputado que iniciou impeachment diz que Dilma mentiu no Senado

O deputado brasileiro com mandato suspenso Eduardo Cunha, responsável pela abertura do processo de destituição de Dilma Rousseff, disse na segunda-feira que a chefe de Estado mentiu no depoimento que deu no julgamento do Senado (câmara alta parlamentar).

"A Presidente afastada [Dilma Rousseff] segue mentindo, visando a dar seguimento ao papel de personagem de documentário que resolveu exercer, após a certeza do seu impedimento, em curso pelo julgamento em andamento. A presidente afastada mente se utilizando da técnica fascista de que uma mentira é exaustivamente repetida até se tornar verdade", afirmou numa nota divulgada nas redes sociais.

Aos senadores, a Presidente com mandato suspenso declarou que Eduardo Cunha, quando exercia o cargo de Presidente da Câmara dos Deputados, arquitetou um plano contra ela juntamente com outros opositores, atuando diretamente para inviabilizar a aprovação de projetos enviados pelo seu Governo no último ano.

Eduardo Cunha, por outro lado, defendeu-se alegando que continua a ser acusado de desvio de poder pela abertura do processo de 'impeachment', mas que Dilma Rousseff "se esqueceu de que já buscou esse argumento no Supremo Tribunal Federal e não teve sucesso, reafirmando a lisura do meu ato".

Dilma Rousseff afirmou inúmeras vezes durante o depoimento que foi chantageada por Eduardo Cunha, que lhe teria dito que não aceitaria nenhum pedido de destituição se em troca a chefe de Estado garantisse o apoio do Partido dos Trabalhadores (PT) na votação de um processo interno contra si, que lhe poderia custar o mandato.

Sobre este ponto, o deputado declarou na nota que "as tentativas de barganhas para que eu não abrisse o processo de 'impeachment' partiram do governo dela [Dilma Rousseff] e por mim não foram aceites, como já declarei em diversas oportunidades, denunciando com nomes e detalhes essas tentativas. Isso sim foi chantagem".

Inimigo declarado da Presidente com mandato suspenso e do PT, o deputado Eduardo Cunha foi afastado de seu cargo pelo Supremo Tribunal Federal, acusado de tentar impedir investigações de um processo em que se tenta apurar se Cunha mentiu numa comissão parlamentar, ao negar ter bens no estrangeiro, o que ainda está a ser analisado na Câmara dos Deputados.

Lusa

  • "O discurso de Dilma Rousseff é um discurso de despedida"
    3:12

    Miguel Sousa Tavares

    Miguel Sousa Tavares diz que Dilma Rousseff, ao depôr esta segunda-feira no Senado, "fez bem a parte técnica" pois "usou bem a ideia de que não há fundamentos jurídicos" mas que o discurso da Presidente brasileira foi um "discurso de despedida. A Presidente do Brasil está suspensa e fala num ataque à democracia. Diz que não cometeu qualquer crime e que estão a tentar punir uma inocente.

  • "Os brasileiros estão cansados deste longo processo"
    2:10

    Crise no Brasil

    Dilma Rousseff discursou esta segunda-feira no processo de destituição. No Brasil, Ivani Flora diz que os brasileiros estão a acompanhar atentamente o julgamento no Senado e que a sensação é de que os brasileiros estão cansados do longo processo. Segundo a correspondente da SIC, a manifestação contra a corrupção arrefeceu entre a população e agora só resta esperar pelo fim do julgamento para saber a reação dos brasileiros.

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • Ronaldo não está preocupado com repercussões de eventual fuga fiscal
    1:30

    Football Leaks

    Cristiano Ronaldo diz que quem não deve não teme. O avançado português não se mostra preocupado com as notícias que revelam que o jogador não terá declarado os rendimentos da publicidade ao fisco espanhol. Fontes do Ministério das Finanças do país vizinho confirmaram ao jornal El Mundo que o português está a ser investigado há ano e meio.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.