sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Deputado que iniciou impeachment diz que Dilma mentiu no Senado

O deputado brasileiro com mandato suspenso Eduardo Cunha, responsável pela abertura do processo de destituição de Dilma Rousseff, disse na segunda-feira que a chefe de Estado mentiu no depoimento que deu no julgamento do Senado (câmara alta parlamentar).

"A Presidente afastada [Dilma Rousseff] segue mentindo, visando a dar seguimento ao papel de personagem de documentário que resolveu exercer, após a certeza do seu impedimento, em curso pelo julgamento em andamento. A presidente afastada mente se utilizando da técnica fascista de que uma mentira é exaustivamente repetida até se tornar verdade", afirmou numa nota divulgada nas redes sociais.

Aos senadores, a Presidente com mandato suspenso declarou que Eduardo Cunha, quando exercia o cargo de Presidente da Câmara dos Deputados, arquitetou um plano contra ela juntamente com outros opositores, atuando diretamente para inviabilizar a aprovação de projetos enviados pelo seu Governo no último ano.

Eduardo Cunha, por outro lado, defendeu-se alegando que continua a ser acusado de desvio de poder pela abertura do processo de 'impeachment', mas que Dilma Rousseff "se esqueceu de que já buscou esse argumento no Supremo Tribunal Federal e não teve sucesso, reafirmando a lisura do meu ato".

Dilma Rousseff afirmou inúmeras vezes durante o depoimento que foi chantageada por Eduardo Cunha, que lhe teria dito que não aceitaria nenhum pedido de destituição se em troca a chefe de Estado garantisse o apoio do Partido dos Trabalhadores (PT) na votação de um processo interno contra si, que lhe poderia custar o mandato.

Sobre este ponto, o deputado declarou na nota que "as tentativas de barganhas para que eu não abrisse o processo de 'impeachment' partiram do governo dela [Dilma Rousseff] e por mim não foram aceites, como já declarei em diversas oportunidades, denunciando com nomes e detalhes essas tentativas. Isso sim foi chantagem".

Inimigo declarado da Presidente com mandato suspenso e do PT, o deputado Eduardo Cunha foi afastado de seu cargo pelo Supremo Tribunal Federal, acusado de tentar impedir investigações de um processo em que se tenta apurar se Cunha mentiu numa comissão parlamentar, ao negar ter bens no estrangeiro, o que ainda está a ser analisado na Câmara dos Deputados.

Lusa

  • "O discurso de Dilma Rousseff é um discurso de despedida"
    3:12

    Miguel Sousa Tavares

    Miguel Sousa Tavares diz que Dilma Rousseff, ao depôr esta segunda-feira no Senado, "fez bem a parte técnica" pois "usou bem a ideia de que não há fundamentos jurídicos" mas que o discurso da Presidente brasileira foi um "discurso de despedida. A Presidente do Brasil está suspensa e fala num ataque à democracia. Diz que não cometeu qualquer crime e que estão a tentar punir uma inocente.

  • "Os brasileiros estão cansados deste longo processo"
    2:10

    Operação Lava Jato

    Dilma Rousseff discursou esta segunda-feira no processo de destituição. No Brasil, Ivani Flora diz que os brasileiros estão a acompanhar atentamente o julgamento no Senado e que a sensação é de que os brasileiros estão cansados do longo processo. Segundo a correspondente da SIC, a manifestação contra a corrupção arrefeceu entre a população e agora só resta esperar pelo fim do julgamento para saber a reação dos brasileiros.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.