sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Quatro detidos em protestos contra destituição de Dilma em São Paulo

© Bruno Kelly / Reuters

Quatro pessoas foram detidas esta terça-feira, durante manifestações contra o processo de 'impeachment' (destituição) da Presidente brasileira com mandato suspenso, Dilma Rousseff, em São Paulo, a maior cidade do Brasil.

"A Polícia de São Paulo acabou de prender três militantes do MTST [Movimento dos Trabalhadores Sem Teto] que participaram das manifestações de hoje, além de uma quarta pessoa que apenas passava pelo local", informou o movimento nas redes sociais, falando nos "primeiros presos do golpe".

Segundo a mesma nota, os quatro são acusados de suposto "dano ao património" e "os delegados (agentes da polícia) dizem ter orientação de mantê-los presos, ainda que de forma totalmente arbitrária".

De acordo com a Agência Brasil, os três militantes do MTST foram encaminhados ao Distrito Policial de Santo Amaro, onde foram autuados por dano, desobediência e resistência.

A detenção levou um grupo do MTST a protestar em frente às instalações.

Posteriormente serão ouvidos por um juiz que decidirá se mantém as prisões.

Os três foram detidos após participarem num protesto marcado pelo fogo ateado a pneus para interromper o trânsito.

"Tínhamos feito um acordo com a Polícia Militar de que a via seria liberada em 20 minutos. Antes de 20 minutos, liberámos a via", disse o coordenador do movimento, Michel Navarro, citado pela Agência Brasil.

O protesto fez parte de um conjunto de mobilizações em São Paulo, em Porto Alegre e Fortaleza contra o 'impeachment' de Dilma Rousseff, o governo interino de Michel Temer e as ameaças de retrocessos em políticas sociais.

"Eles podem esperar do povo organizado muita resistência, muita luta. Não vamos deixar esse governo ilegítimo governar em paz", garantiu Michel Navarro.

Os protestos ocorrem um dia antes da votação final do 'impeachment' de Dilma Rousseff, acusada de irregularidades orçamentais, no Senado.

Num processo polémico, que dividiu a população, os defensores da Presidente com mandato suspenso têm acusado Michel Temer e os seus aliados de "golpistas", falando num golpe para chegar ao poder.

Lusa

  • "Ficou claro que a decisão já está tomada"
    3:06

    Operação Lava Jato

    A correspondente da SIC no Brasil disse que a participação de Dilma Rousseff, na segunda-feira, não foi suficiente para impedir a "impugnação do seu mandato". Segundo Ivani Flora, os senadores brasileiros, que são juízes neste caso, questionaram Dilma como se fossem advogados de defesa e acusação e que deram a entender que ainda não chegaram a um consenso: se Dilma cometeu o crime de responsabilidade fiscal ou não. A correspondente disse ainda que durante o dia de ontem "ficou claro que a decisão já está tomada".

  • Os (maus) hábitos do português ao volante
    1:31

    País

    Os condutores portugueses estão a usar cada vez mais o carro e cada vez menos os transportes públicos. Um inquérito apresentado esta terça-feira pelo Automóvel Clube de Portugal (ACP) mostra que quase metade admite falar ao telemóvel enquanto conduz e cerca de um quinto já adormeceu ao volante enquanto conduzia.

  • E os nomeados são... conhecidos hoje

    Cultura

    São, esta terça-feira, conhecidos os nomeados para os Óscares. O anúncio vai ser feito a partir de Los Angeles quando forem 13h00 em Lisboa e seguido em direto numa emissão especial da SIC Notícias.

    Aqui a partir das 13:00

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.