sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Estudantes protestam contra impeachment de Dilma em São Paulo

© Nacho Doce / Reuters

Centenas de estudantes reuniram-se na Avenida Paulista na noite de terça-feira para protestar contra a destituição ('impeachment') da Presidente com mandato suspenso, Dilma Rousseff.

Ao contrário de outras ações, este movimento foi acompanhado maioritariamente por jovens, que pediam a continuação da chefe de Estado brasileira no poder.

O protesto começou em frente ao Museu de Arte de São Paulo (MASP), com centenas de jovens empunhando cartazes com as frases "Fora, Temer " e entoando cantigas que exaltavam a biografia de Dilma Rousseff.

A Polícia Militar acompanhou a caminhada fortemente armada, mas não fez intervenções para dispersar os manifestantes.

Não se registaram confrontos até à Praça Roosevelt, mas ainda assim os manifestantes foram proibidos de avançar. Nessa altura, um grupo tentou chegar até ao edifício do jornal Folha de São Paulo, mas foi impedido pela polícia.

A estudante Débora Borges, de 19 anos, disse à Lusa que participou na manifestação para demonstrar a sua insatisfação.

"Acho que o 'impeachment' vai trazer alguém para o poder que vai tirar os meus direitos e os dos meus avós. Somos poucos, mas estamos aqui fazendo a diferença", comentou.

Também Rodrigo Bittar, estudante de 21 anos, saiu do seu estágio na Avenida Paulista para acompanhar o protesto: "Fui criado numa cultura da classe média, com ódio aos movimentos sociais de esquerda, mas na faculdade percebi que era um preconceito. Para mim, este processo de 'impeachment' é ilegal e foi um plano acordado para derrubar um governo legitimamente eleito".

Rodrigo sublinhou a importância de estar do 'lado certo da história' e poder contar aos seus filhos que foi contra a destituição de Dilma Rousseff.

O protesto dos estudantes paulistas aconteceu um dia antes da votação final no julgamento da chefe de Estado com mandato suspenso no Senado (câmara alta parlamentar).

Se for condenada por 54 dos 81 senadores, Dilma Rousseff perderá o mandato e o direito de ocupar cargos públicos por oito anos.

Lusa

  • Momentos de tensão no Senado brasileiro
    3:43

    Operação Lava Jato

    A votação final que vai decidir o futuro da Presidente brasileira é esperada para esta quarta-feira de manhã. O processo de Dilma Rousseff chegou ao Senado depois de sessões plenárias - em que se houve uma constante - foi o debate aceso entre os apoiantes e os opositores da Presidente. Nesta etapa final não foi exceção e os senadores envolveram-se em momentos de alguma tensão.

  • Advogados de Dilma estão a preparar recurso para o Supremo Tribunal Federal
    2:18

    Operação Lava Jato

    A decisão do Senado brasileiro sobre o processo de destituição de Dilma Rousseff dficilmente será conhecida na próxima madrugada.Trata-se de um processo longo com dois terços dos senadores a quererem discursar. A noite e manhã foram marcadas por protestos populares contra o afastamento de Dilma Rousseff. Os advogados de defesa da presidente estão a preparar recurso para o Supremo Tribunal Federal

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.