sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Segunda votação permite a Dilma ocupar cargos públicos apesar da destituição

O Senado (câmara alta parlamentar) decidiu esta quarta-feira, em votação separada da realizada após a aprovação do processo de impeachment (destituição), que Dilma Rousseff poderá ocupar cargos públicos. Com 42 votos a favor da cassação deste direito, 36 contra e três abstenções, os senadores brasileiros votaram pela manutenção dos direitos políticos da agora ex-Presidente Dilma Rousseff.

Esta decisão foi possível porque a defesa de Dilma Rousseff solicitou uma votação em separado sobre sua inabilitação, que estava prevista em caso de impeachment na Constituição brasileira.

Se este dispositivo fosse mantido na segunda votação, Dilma Rousseff seria impedida de exercer qualquer função pública pelo prazo de oito anos.

O ex-Presidente Fernando Collor de Mello, que atualmente é senador pelo Estado de Alagoas, tomou a palavra no início da sessão para se manifestar contra este pedido da defesa já que ele mesmo renunciou e mesmo assim teve seu direito de ocupar cargos públicos cassado por oito anos.

O Presidente do Supremo Federal, Ricardo Lewandowski, que dirigiu todo o julgamento, decidiu que o assunto iria ser julgado numa votação separada pelos senadores após a decisão em favor da destituição.

Renan Calheiros, presidente do Senado, tomou a palavra antes para dizer que votaria contra a inabilitação de Dilma Rousseff.

O julgamento que culminou com a cassação de Dilma Rousseff teve momentos de nervosismo com intervenções exaltadas contra e a favor da destituição e da perda do direito de exercer cargos públicos.

No final da votação em que foi aprovada a destituição, senadores e assessores, de pé no plenário, manifestaram alguma agitação, mas não se registaram confrontos entre os apoiantes de Dilma e os que se lhe opõem.

Entretanto, Renan Calheiros convocou uma sessão do Congresso Nacional a ser realizada no Senado às 16:00 (20:00 Lisboa), para dar posse oficial a Michel Temer como Presidente do Brasil com mandato vigente até o final de 2018.

Lusa

  • Senadores vão votar direitos políticos de Dilma
    4:02

    Crise no Brasil

    Dilma Rousseff foi destituida de Presidente do Brasil. Esta decisão foi o fim de um processo que se prolongou por nove meses. Ivani Flora, correspondente da SIC no Brasil, adianta que 61 senadores votaram a favor do afastamento da Presidente e 20 contra. Os senadores vão ainda votar sobre os direitos políticos de Dilma.

  • Dilma Rousseff foi destituída

    Crise no Brasil

    A Presidente brasileira com mandato suspenso, Dilma Rousseff, perdeu hoje o mandato presidencial depois de uma votação no Senado (câmara alta parlamentar) em Brasília. Dos 81 senadores, 61 votaram a favor e 20 contra a destituição da Presidente.

  • Queda de avioneta em Espanha causa 4 mortos

    Mundo

    Uma avioneta com destino a Cascais, em que seguia uma família de quatro pessoas - dois adultos e dois menores - caiu em Sotillo de las Palomas, em Toledo, Espanha.

    Em desenvolvimento

  • Um discurso histórico com os pedidos de sempre
    2:30

    País

    Jerónimo de Sousa voltou este domingo a pedir a renegociação da dívida e a saída de Portugal do euro. Num discurso historicamente curto, apenas 15 minutos, no encerramento do Congresso do PCP, o reeleito secretário-geral comunista anunciou que o aumento dos salários e a reversão das alterações à legislação laboral são duas prioridades para os próximos tempos.

  • Mais de 50 milhões de italianos decidem futuro do país
    1:43

    Mundo

    Este domingo, está nas mãos de mais de 50 milhões de eleitores italianos o futuro do país. Mais do que um voto à reforma constitucional, o referendo terá consequências políticas diretas no Governo italiano. As urnas fecham às 23h00, 22h00 em Lisboa. Os primeiros resultados são esperados meia hora depois.