sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Presidente do Brasil vaiado e aplaudido no desfile do Dia da Independência

© POOL New / Reuters

O Presidente do Brasil, Michel Temer, foi vaiado e aplaudido na manhã desta quarta-feira em Brasília durante o desfile militar que comemora o dia da Independência do país, em mais uma demonstração da divisão provocada pela crise política.

O novo chefe de Estado, que tomou posse na semana passada depois da destituição de Dilma Rousseff, também foi aplaudido por parte do público em mais uma demonstração de que o país continua dividido por uma grave crise política.

Além das vaias e aplausos, a cerimónia também foi atípica porque Michel Temer optou por não fazer o desfile no Rolls Royce "Silver Wraith", um carro aberto que foi oferecido pela Rainha Isabel II da Inglaterra, e não usou a faixa presidencial, duas condutas que normalmente são adotadas pelos Presidentes do país nestas ocasiões.

O público estimado era de cerca de 30 mil pessoas, em Brasília.

Sobre as manifestações, o Jornal Folha de São Paulo e o portal de notícias UOL relataram que viram seguranças a impedir manifestantes políticas nas arquibancadas do desfile.

Segundo a imprensa brasileira, esta ação foi contra uma informação dada pela assessoria de imprensa do Planalto que havia dito que as manifestações políticas seriam liberadas.

Esta quarta-feira é feriado nacional e além das comemorações militares foram convocados pelo menos 18 protestos contra Michel Temer em diversas cidades do Brasil.

Lusa

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29
  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.