sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Deputado que iniciou processo de destituição de Dilma perde o mandato

O deputado brasileiro Eduardo Cunha, que aceitou a denúncia que deu início ao processo de destituição da ex-Presidente Dilma Rousseff, perdeu o mandato na Câmara dos Deputados (câmara baixa) do Brasil na segunda-feira à noite.

A sessão terminou com 450 manifestações a favor da cassação (perda de mandato), 10 votos contra e nove abstenções. A Câmara dos Deputados brasileira é formada por 513 deputados.

Antes de o seu afastamento ser decidido, Eduardo Cunha disse no plenário que o processo contra si faz parte de um julgamento político porque aceitou a denúncia contra Dilma Rousseff (de quem foi um dos maiores inimigos políticos), levando à mudança de Governo no Brasil.

"Quando presidi à Câmara, 53 pedidos de 'impeachment' entraram nesta casa. Eu recusei 40, aceitei um e 12 não deliberei. [...] Estou pagando com meu mandato o preço do processo do 'impeachment'. Estou sendo cobrado por ter conduzido um processo que outro [deputado] não teria condição de fazer naquele momento. Este é o preço que estou pagando para o Brasil ficar livre do Partido dos Trabalhadores (PT)", declarou.

Eduardo Cunha foi condenado pelos outros deputados por ter quebrado o decoro parlamentar ao mentir num depoimento perante uma comissão da câmara baixa que investigava crimes na empresa estatal Petrobras.

Neste depoimento, em março de 2015, Eduardo Cunha afirmou que não possuía contas no estrangeiro. Pouco depois, porém, o Ministério Público Federal do Brasil divulgou documentos enviados pelo Ministério Público da Suíça que indicavam que possuía contas secretas naquele país.

O processo de cassação do político brasileiro durou mais de 11 meses, sendo o mais longo a tramitar na câmara baixa do Congresso brasileiro. Além de perder o cargo, Eduardo Cunha ficará inelegível até 2026.

Sem mandato parlamentar, Eduardo Cunha também deixa de ter "foro privilegiado", um direito previsto na Constituição do Brasil que determina que pessoas com esta prerrogativa só podem ser julgadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O ex-deputado já é réu em dois processos da Operação Lava Jato, relacionada com esquemas de corrupção, e agora poderá ser julgado pelo juiz Sérgio Moro, magistrado responsável, na primeira instância, pelos processos ligados aos crimes cometidos na Petrobras.

Após o final da sessão, Eduardo Cunha voltou a afirmar aos jornalistas que foi vítima de uma vingança política perpetrada no meio de um processo eleitoral, já que em outubro todos os municípios do país realizam eleições e os seus aliados não o apoiariam com medo da rejeição popular.

Também acusou o Governo atual, do Presidente Michel Temer, o PT e a Rede Globo, a maior empresa de comunicação social do Brasil, de realizarem uma campanha conjunta para fazer com que perdesse o mandato.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59