sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Lula vai ser julgado no caso Lava Jato

Lula da Silva vai ser julgado no caso Lava Jato. O ex-Presidente do Brasil é assim constituído, pela segunda vez, como arguido neste processo depois do juiz Sérgio Moro ter aceitado a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal. Lula vai responder por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A denúncia, apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) na semana passada, está relacionada com irregularidades num imóvel no Guarujá.

Lula da Silva é acusado de ter sido beneficiado com obras no imóvel, feita pela construtora. Segundo o MPF, a reforma foi oferecida pela empresa como compensação por ações do ex-Presidente no esquema de corrupção da Petrobras.

A decisão também converteu em réus a mulher de Lula da Silva, Marisa Letícia Lula da Silva, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto, o ex-presidente da construtora OAS, Leo Pinheiro, e outros quatro executivos daquela empresa.

"Em razão da existência de indícios suficientes (...) aceitei a denúncia [acusação]" apresentada pelo Ministério Público contra o ex-Presidente por corrupção e branqueamento de capitais, refere o juiz Sérgio Moro, num documento distribuído à imprensa.

Agora, o ex-presidente, depois de constituído como réu, será julgado pelo juiz Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato que não envolvam pessoas com foro privilegiado. Lula também responde a outro processo sob acusação de atrapalhar as investigações sobre o caso relacionado com financimento partidários através da petrolífera estatal Petrobrás, conhecido como 'petrolão'.

Caso seja condenado por Moro e também em segunda instância, pelo TRF (Tribunal Regional Federal), Lula tornar-se-á inelegível pela Lei da Ficha Limpa.

O antigo presidente, eleito pelo Partido dos Trabalhadores, afirma ser inocente e diz ser alvo de perseguição política, para impedir uma eventual recandidatura em 2018.

Lusa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.