sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Lula diz que estão com medo que ele volte à Presidência

O ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, constituído arguido na terça-feira por suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro, comentou esta quarta-feira o caso afirmando que "estão com medo" que ele regresse à Presidência do Brasil.

Num discurso na cidade de Crato, no estado do Ceará, durante um ato de campanha para as eleições municipais de 2 de outubro, o ex-chefe de Estado, citado pelo jornal brasileiro Folha de São Paulo, afirmou que há exatamente dois anos que "uns jovens do Ministério Público, do Judiciário e da Fazenda (Finanças)" o investigam.

"Quem não pode falar bem de si fala mal dos outros", referiu.

O histórico líder do Partido dos Trabalhadores (PT) reforçou que se descobrirem que ele roubou um centavo, apresentará desculpas em público.

"Mas se não encontrarem, quero que tenham a mesma dignidade e peçam desculpas por desonrar um homem que teve a ousadia de tirar o povo do século XVIII", referiu, numa alusão aos programas sociais de apoio aos pobres que foram iniciados pelo seu governo.

Lula da Silva defendeu ainda que os brasileiros só devem "respeitar um presidente da República se for eleito pelo voto".

A frase surge semanas depois de Michel Temer ter assumido a Presidência em definitivo, em decorrência da destituição da ex-Presidente Dilma Rousseff, do mesmo partido de Lula da Silva, por irregularidades orçamentais.

"Num estado machista, tiveram a audácia de eleger uma mulher para a Presidência e isso foi demais para a elite", comentou Lula da Silva.

Segundo o ex-líder brasileiro, a "perseguição judicial" que diz sofrer é obra de uma "elite económica e política" que "não perdoa que um trabalhador tenha chegado ao poder" no Brasil, um país que "desde o descobrimento tinha sido governado pela aristocracia".

No discurso, Lula da Silva não fez qualquer comentário direto sobre as acusações de que é alvo.

Lula da Silva foi constituído arguido, juntamente com a mulher e outras seis pessoas, pelo juiz federal Sérgio Moro, encarregue dos processos da Operação Lava Jato, que investiga o maior escândalo de corrupção na história do Brasil, centrado na petrolífera estatal Petrobras.

Em causa na acusação de Lula da Silva estão suspeitas de irregularidades na aquisição de um imóvel e num contrato de armazenamento de bens, ambos envolvendo a empreiteira OAS, que tem estado implicada na Operação Lava Jato.

Segundo a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF), o ex-Presidente foi beneficiado pela empresa como compensação por ações no esquema de corrupção da Petrobras.

Lula da Silva tem negado as acusações de irregularidades e insistido ser alvo de perseguição política, numa altura em que se fala na sua recandidatura à Presidência do Brasil em 2018.

O antigo líder do país também é arguido por alegadas tentativas de obstrução da Lava Jato.

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.