sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Juiz pede que sejam analisados bens apreendidos a Lula

​O juiz Sérgio Moro, que analisa os processos da Operação Lava Jato na primeira instância, pediu hoje à Presidência da República brasileira que analise os bens do ex-Presidente Lula da Silva que estavam guardados no Banco do Brasil.

"Examinando, sumariamente, o material apreendido, há alguns bens que, se recebidos como presentes durante o exercício do mandato de Presidente da República, talvez devessem ter sido incorporados ao acervo da Presidência", lê-se na decisão do juiz.

Assim, continuou, "é necessário solicitar um exame por órgão administrativo acerca do material apreendido para que possa ser feito o necessário crivo, entre o que pertence ao acervo pessoal do ex-Presidente (...) e o que eventualmente deveria ter sido, na esteira do disposto nos decretos, incorporado ao Património da Presidência da República".

A decisão surgiu em resposta a uma solicitação, de 06 de setembro passado, assinada por treze procuradores do Ministério Público Federal, que se basearam numa auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU).

O TCU "constatou-se que dos 568 itens recebidos nos dois mandatos do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva apenas nove foram incorporados ao património da União [Estado]", lê-se na solicitação dos procuradores.

Em março, no âmbito da 24.ª fase da Operação Lava Jato, que investiga o maior esquema de corrupção da história do Brasil, a Polícia Federal descobriu um cofre no Banco do Brasil em São Paulo onde estavam armazenados objetos que o ex-Presidente alega ter recebido de presidente durante os dois mandatos, de 2003 a 2010.

O magistrado pediu ainda que seja verificada "a origem dos bens ali depositados".

Sérgio Moro referiu ainda, na decisão, que a defesa do ex-líder brasileiro inicialmente se tinha "comprometido a prestar esclarecimentos", mas depois não houve mais "essa intenção".

Em nota, o advogado de Lula da Silva Cristiano Zanin Martins defendeu que "o juiz Sérgio Moro não tem jurisdição sobre o acervo presidencial do ex-Presidente".

"Esse acervo contém, fundamentalmente, cartas, documentos e presentes recebidos por Lula no Brasil e no exterior ao longo de oito anos dos seus dois mandatos presidenciais. Não há, portanto, qualquer relação com Curitiba, com a Petrobras ou com a Lava Jato", lê-se na nota.

Para a defesa, a decisão de hoje "é mais um exemplo dos excessos cometidos por Moro em relação a Lula e reforça a perda de sua imparcialidade para qualquer julgamento envolvendo o ex-Presidente".

O advogado referiu que o acervo que foi entregue a Lula da Silva no final do segundo mandato obedece à lei e que aconteceu o mesmo com os ex-Presidentes que o antecederam, por isso concluiu: "A seletividade de Moro também confirma a sua parcialidade".

"Moro não atua como juiz em relação a Lula, mas, sim, como implacável acusador que quer condená-lo a qualquer custo, para interferir no cenário político-eleitoral de 2018", concluiu, numa altura em que se fala numa possível candidatura de Lula da Silva nas próximas presidenciais.

Sérgio Moro aceitou, na terça-feira passada, a acusação contra o ex-Presidente por corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito da Lava Jato, devido a supostas irregularidades num imóvel no Guarujá.

Lula da Silva também responde na Justiça por alegadas tentativas de obstrução da Lava Jato.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.