sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Juiz pede que sejam analisados bens apreendidos a Lula

​O juiz Sérgio Moro, que analisa os processos da Operação Lava Jato na primeira instância, pediu hoje à Presidência da República brasileira que analise os bens do ex-Presidente Lula da Silva que estavam guardados no Banco do Brasil.

"Examinando, sumariamente, o material apreendido, há alguns bens que, se recebidos como presentes durante o exercício do mandato de Presidente da República, talvez devessem ter sido incorporados ao acervo da Presidência", lê-se na decisão do juiz.

Assim, continuou, "é necessário solicitar um exame por órgão administrativo acerca do material apreendido para que possa ser feito o necessário crivo, entre o que pertence ao acervo pessoal do ex-Presidente (...) e o que eventualmente deveria ter sido, na esteira do disposto nos decretos, incorporado ao Património da Presidência da República".

A decisão surgiu em resposta a uma solicitação, de 06 de setembro passado, assinada por treze procuradores do Ministério Público Federal, que se basearam numa auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU).

O TCU "constatou-se que dos 568 itens recebidos nos dois mandatos do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva apenas nove foram incorporados ao património da União [Estado]", lê-se na solicitação dos procuradores.

Em março, no âmbito da 24.ª fase da Operação Lava Jato, que investiga o maior esquema de corrupção da história do Brasil, a Polícia Federal descobriu um cofre no Banco do Brasil em São Paulo onde estavam armazenados objetos que o ex-Presidente alega ter recebido de presidente durante os dois mandatos, de 2003 a 2010.

O magistrado pediu ainda que seja verificada "a origem dos bens ali depositados".

Sérgio Moro referiu ainda, na decisão, que a defesa do ex-líder brasileiro inicialmente se tinha "comprometido a prestar esclarecimentos", mas depois não houve mais "essa intenção".

Em nota, o advogado de Lula da Silva Cristiano Zanin Martins defendeu que "o juiz Sérgio Moro não tem jurisdição sobre o acervo presidencial do ex-Presidente".

"Esse acervo contém, fundamentalmente, cartas, documentos e presentes recebidos por Lula no Brasil e no exterior ao longo de oito anos dos seus dois mandatos presidenciais. Não há, portanto, qualquer relação com Curitiba, com a Petrobras ou com a Lava Jato", lê-se na nota.

Para a defesa, a decisão de hoje "é mais um exemplo dos excessos cometidos por Moro em relação a Lula e reforça a perda de sua imparcialidade para qualquer julgamento envolvendo o ex-Presidente".

O advogado referiu que o acervo que foi entregue a Lula da Silva no final do segundo mandato obedece à lei e que aconteceu o mesmo com os ex-Presidentes que o antecederam, por isso concluiu: "A seletividade de Moro também confirma a sua parcialidade".

"Moro não atua como juiz em relação a Lula, mas, sim, como implacável acusador que quer condená-lo a qualquer custo, para interferir no cenário político-eleitoral de 2018", concluiu, numa altura em que se fala numa possível candidatura de Lula da Silva nas próximas presidenciais.

Sérgio Moro aceitou, na terça-feira passada, a acusação contra o ex-Presidente por corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito da Lava Jato, devido a supostas irregularidades num imóvel no Guarujá.

Lula da Silva também responde na Justiça por alegadas tentativas de obstrução da Lava Jato.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.