sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Ex-ministro brasileiro preso acusado de intermediar créditos para obras da Odebrecht em Angola

O ex-ministro brasileiro António Palocci, foi preso esta segunda-feira acusado de ter intermediado créditos de um banco estatal brasileiro para a empreiteira Odebrecht investir em Angola em troca do pagamento de subornos.

Num encontro com jornalistas, o delegado da Polícia Federal Filipe Hille Pace afirmou que a empreiteira Odebrecht teria pedido o apoio de Antônio Palocci, ministro nos governos de Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva, para aumentar suas linhas de crédito junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES) destinados aos projetos executados em Angola.

"São mais de 3 mil milhões de dólares (2,6 mil milhões de euros) investidos nas obras em Angola que foram financiados pelo BNDES. Temos uma mensagem eletrónica (de Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empresa) alinhando planos para a liberação de 700 milhões de dólares (620 milhões de euros). Marcelo (Odebrecht) considerava se não seria caso de se buscar o apoio de António Palocci para aumentar o crédito e gerar benefícios (pagar propina) para seu grupo político (o PT)", explicou o delegado.

Esta não é a primeira vez que investimentos de empresas brasileiras em Angola são alvo das investigações da operação Lava Jato, que há mais de dois anos investiga crimes de corrupção cometidos na petrolífera estatal Petrobras e em outras empresas públicas.

Aos jornalistas o delegado mencionou que Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras, que foi condenado e agora colabora com as investigações, disse num depoimento à polícia que no ano de 2006 houve a interferência e o pagamento de subornos ao PT sobre valores investidos na compra de blocos de exploração de petróleo em Angola realizados pela Petrobras.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.