sicnot

Perfil

Crise no Brasil

Crise no Brasil

Operação Lava Jato

Ex-diretor da Petrobras diz que Lula da Silva sabia e comandava esquema de corrupção

© Nacho Doce / Reuters

O ex-diretor da Petrobras, Renato Duque, acusou o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em depoimento judicial, de ter conhecimento e comandar o esquema de corrupção na Petrobras, divulgou a imprensa brasileira.

De acordo com o portal de notícias G1, Renato Duque manteve-se em silêncio sobre seu papel na petrolífera brasileira, sendo a primeira vez que falou sobre o esquema de corrupção na estatal, em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, no Paraná.

O depoimento decorreu na sexta-feira, no âmbito da Operação Lava Jato, que investiga um grande esquema de corrupção que envolve nomeadamente a Petrobras.

De acordo com a força-tarefa da Lava Jato, por ter sido indicado ao cargo pelo Partido dos Trabalhadores (PT, de Lula da Silva), a diretoria dirigida por Duque era responsável por grande parte dos subornos relacionados a contratos da Petrobras destinados ao PT.

Duque também afirmou que se reuniu três vezes com o ex-Presidente Lula da Silva, em 2012, 2013 e 2014, quando já havia saído da direção da empresa estatal.

"Nessas três vezes ficou claro, muito claro para mim, que ele (Lula) tinha o pleno conhecimento de tudo e detinha o comando", afirmou Duque.

O ex-diretor afirmou que Lula da Silva determinou, por meio do ex-ministro Paulo Bernardo, que, a partir de 2007, a arrecadação dos subornos para o PT por meio de contratos da Petrobras fosse negociada com João Vaccari, ex-tesoureiro do PT.

O ex-Presidente, ainda de acordo com Duque, era chamado de 'Chefe', 'Grande Chefe' ou 'Nine' nas conversas.Renato Duque acusou ainda o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ter recomendado que destruísse provas dos subornos recebida por membros do PT fora do Brasil no escândalo de corrupção na Petrobras.

O ex-diretor de Serviços da Petrobras foi ouvido pelo juiz Sérgio Moro numa ação penal da Operação Lava Jato, que investiga se o ex-ministro Antônio Palocci recebeu suborno para atuar a favor da construtora Odebrecht.

A denúncia trata de pagamentos feitos para beneficiar a empresa SeteBrasil, que fechou contratos com a Petrobras para a construção de 21 sondas de perfuração no pré-sal.

Duque já foi condenado em quatro ações da Lava Jato a mais de 50 anos de prisão e é réu em pelo menos outros seis processos decorrentes da operação que estão em andamento na 13ª Vara Federal de Curitiba, no Estado do Paraná.

Os advogados de Lula da Silva afirmam que o depoimento de Duque é uma tentativa de fabricar acusações contra o ex-Presidente.

"Como não conseguiram produzir nenhuma prova das denúncias levianas contra o ex-Presidente, depois de dois anos de investigações, quebra de sigilos e violação de telefonemas, restou aos acusadores de Lula apelar para o fabrico de depoimentos mentirosos", referiram os advogados de Lula da Silva.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.