Operação Lava Jato

Promotores brasileiros denunciam juiz que tentou libertar Lula da Silva

Eraldo Peres

Promotores públicos do Brasil acusaram esta segunda-feira o juiz que tentou ordenar a libertação do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no último domingo, de praticar ativismo judicial.

Uma denúncia contra o juiz Rogério Favreto foi apresentada ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em que se argumenta que, ao emitir a ordem de soltura do ex-presidente brasileiro, o juiz "flagrantemente violado o princípio do árbitro, e, portanto, a ordem jurídica e o Estado democrático de direito".

Favreto aceitou no domingo de manhã um 'habeas corpus' apresentado por um grupo de deputados que apoia Lula da Silva, preso desde o último dia 07 de abril, e ordenou a sua "libertação imediata".

Este juiz estava em serviço no Tribunal Regional da Quarta Região (TRF-4), tribunal de segunda instância com sede em Porto Alegre, que em abril negou os últimos apelos de Lula da Silva e ordenou a sua prisão.

Na decisão, Favreto argumentou que a condição de pré-candidato nas próximas presidenciais do Brasil pelo Partido dos Trabalhadores (PT) era um facto novo no caso de Lula da Silva e, por isso, ele deveria ser libertado para disputar as eleições em igualdade de condições com os seus adversários.

A decisão de Favreto foi questionada pelo juiz Sergio Moro, responsável pelo processo contra o ex-Presidente brasileiro em primeira instância, e posteriormente revogada pelo juiz João Gebran Neto, relator do caso no TRF-4.

Mesmo assim, Favreto insistiu e ditou uma nova ordem de libertação para Lula da Silva, que deveria ter sido cumprida no domingo, mas estas diferenças foram finalmente resolvidas pelo presidente do TRF-4, Carlos Thompson Flores.

Depois de quase dez horas de embate judicial, Thompson Flores decidiu que, diante do "conflito de competência", valeria a decisão de Gebran Neto de negar a soltura de Lula da Silva.

Segundo a acusação enviada pelos promotores hoje contra Favreto "um juiz é incompetente para derrubar a decisão de um colegiado", referindo-se ao grupo de juízes do TRF4 que já havia negado recursos semelhantes para Lula da Silva.

Os promotores que apresentaram a acusação, que pode motivar sanções administrativas contra Favreto, também negam que a candidatura presidencial de Lula da Silva seja um facto novo no caso porque ela fora anunciada antes de ele ser condenado em abril passado.

Para estes promotores, o juiz incorreu num "ativismo judicial pernicioso e arbitrário" e violou regras segundo as quais um magistrado de plantão (de serviço) não pode "avaliar recursos já analisados por um tribunal colegiado".

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16