sicnot

Perfil

Legionella

Legionella

Legionella

Câmara de Vila Franca de Xira pede leis mais exigentes para crimes ambientais

PAULO NOVAIS

A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira manifestou-se confiante relativamente a um desfecho favorável para as famílias afetadas pelo surto de legionella de 2014, e defendeu leis mais exigentes para os crimes ambientais.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Alberto Mesquita (PS) disse estar convencido de que os advogados que representam as famílias afetadas pelo surto de legionella vão conseguir "arranjar uma maneira" de que os seus clientes sejam indemnizados.

Alberto Mesquita falava à Lusa depois de um relatório da Polícia Judiciária, divulgado esta terça-feira pelo Diário de Notícias, que dá conta de que "uma falha na legislação referente ao Ambiente está a comprometer o processo judicial".

Este relatório da PJ surge dois meses depois do Ministério Público ter informado que sete pessoas e duas empresas foram constituídas arguidas no inquérito relacionado com o surto de legionella.

"É uma notícia bastante desagradável que põe em evidência o que a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira sempre defendeu. Uma alteração legislativa que crie uma lei que seja mais exigente com as empresas. Que exija uma maior fiscalização", apontou.

Em novembro de 2014 o concelho de Vila Franca de Xira foi afetado por um surto de legionella, que causou 12 mortes e infetou 375 pessoas com a bactéria

De acordo com o balanço feito na altura, as vítimas mortais tinham entre 43 e 89 anos e eram nove são homens e três mulheres. A taxa de letalidade do surto foi de 3,2%.

O surto, o terceiro com mais casos em todo o mundo, teve início a 7 de novembro e foi controlado em duas semanas. Na altura, o então ministro da Saúde, Paulo Macedo, realçou a resposta dos hospitais, que "trataram mais de 300 pneumonias".

A doença do legionário, provocada pela bactéria legionella pneumophila, contrai-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) de dimensões tão pequenas que transportam a bactéria para os pulmões, depositando-a nos alvéolos pulmonares.

Lusa

  • Governo admite rever legislação devido ao surto de legionella
    1:04

    Legionella

    O ministro do Ambiente diz que não conhece o relatório da Polícia Judiciária sobre a investigação ao caso do surto de legionella que causou a morte a 12 pessoas e infetou 375, no concelho de Vila Franca de Xira em novembro de 2014. Matos Fernandes garante, no entanto, que o Governo está disponível para rever a lei, caso o Ministério Público confirme que não haverá acusação por crime de poluição com perigo comum, por falta de legislação.

  • Coreia do Norte lança novo míssil balístico

    Mundo

    O Pentágono detetou esta sexta-feira mais um lançamento de um míssil balístico por parte da Coreia do Norte. O primeiro-ministro japonês já confirmou o lançamento, que terá atingido a zona económica exclusiva, no Mar do Japão.

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.