sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Principais propostas dos partidos sobre Segurança Social e Trabalho

Os partidos com assento parlamentar defendem novas formas de financiamento para garantir a sustentabilidade da Segurança Social, sendo que a esquerda pretende penalizar os rendimentos mais altos e a coligação PSD/CDS-PP sugere o plafonamento das novas pensões.

Nos últimos dez anos, a esperança de vida à nascença da população residente aumentou cerca de três anos, mais 3,06 anos para os homens e 2,47 anos para as mulheres face aos valores estimados para o período 2002-2004 (74,10 e 80,56 anos para homens e mulheres, respetivamente). (Arquivo)

Nos últimos dez anos, a esperança de vida à nascença da população residente aumentou cerca de três anos, mais 3,06 anos para os homens e 2,47 anos para as mulheres face aos valores estimados para o período 2002-2004 (74,10 e 80,56 anos para homens e mulheres, respetivamente). (Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

+++ Eis algumas das principais propostas dos partidos com assento parlamentar sobre a Segurança Social e trabalho: +++

Bloco de Esquerda:

·Criação de uma taxa sobre o Valor Acrescentado das grandes empresas para financiamento solidário da Segurança Social e de reforço do Fundo de Estabilização da Segurança Social (FESS);

·Repor o abono de família, o Rendimento Social de Inserção (RSI) e o Complemento Solidário de Idosos (CSI) em níveis de cobertura de 2010;

·Alargar a cobertura do subsídio social de desemprego "a todos os desempregados em situação de carência económica";

·Aumentar o salário mínimo nacional para 600 euros.

Coligação Democrática Unitária (CDU):

·Revogar a Contribuição Extraordinária de Solidariedade;

·Reposição da universalidade do abono de família para crianças e jovens e aumento do conjunto das prestações sociais;

·Aumento anual das reformas e pensões nos setores público e privado;

·Reposição da idade legal de reforma aos 65 anos;

·Eliminar as isenções e reduções da Taxa Social Única (TSU);

·Criar uma contribuição sobre as empresas com elevado Valor Acrescentado Liquido (VAL) por trabalhador (grandes resultados com poucos trabalhadores) complementar ao atual regime de contribuições e com ele articulado, abrangendo as empresas com VAL acima de um determinado limite.

·Afetar, complementarmente, 0,25% da receita do imposto a criar sobre as transações financeiras ao reforço do FESS.

·Retomar o pagamento por inteiro e nos meses devidos dos montantes adicionais de julho (subsídio de férias) e de dezembro (subsídio de Natal);

·Aumentar o salário mínimo nacional para 600 euros.

Partido Socialista (PS):

·Reforçar o financiamento e a sustentabilidade da Segurança Social através da diversificação das suas fontes de financiamento: o aumento da Taxa Social Única (TSU) das empresas com elevados índices de precariedade, a consignação à Segurança Social do imposto sobre heranças superiores a um milhão de euros; o alargamento aos lucros das empresas à base de incidência da contribuição dos empregadores para a Segurança Social, reduzindo a componente que incide sobre a massa salarial dos contratos permanentes, de modo a combater a precariedade.

·Esta diversificação das fontes de financiamento far-se-á de modo gradual, até um máximo final de quatro pontos percentuais, sendo o impacto avaliado anualmente e de modo a garantir a não diminuição das receitas para a Segurança Social. "De qualquer forma", escreve o PS, as contribuições sociais continuarão a ser "a principal fonte" de financiamento do sistema previdencial;

·Garantir que não serão alteradas as regras de cálculo das prestações já atribuídas a título definitivo;

·Reavaliar o fator de sustentabilidade face às alterações ocorridas, quer de contexto, quer legislativas;

·Reavaliar e reforçar a coerência do modelo de aplicação da condição de recursos nas prestações sociais de natureza não contributiva;

·Construir um novo acordo de médio prazo com os parceiros sociais que defina a trajetória de aumento do salário mínimo nacional nos anos seguintes.

Portugal à Frente (PSD/CDS-PP):

·Introduzir, para as gerações mais novas, um limite superior para efeitos de contribuição, que em contrapartida determinará um valor máximo para a futura pensão. Essa contribuição deve obrigatoriamente destinar-se ao sistema público e, a partir desse limite, garantir a liberdade de escolha entre o sistema público e sistemas mutualistas ou privados.

· Reversão da Contribuição Extraordinária de Solidariedade em 50% em 2016 e sua abolição em 2017, para as pensões de valor superior a 4611,4 euros;

· Criação de uma 'Caderneta de Aforro para a Reforma', para reforçar a transparência do sistema de Segurança Social;

· Criação um mecanismo que permita moldar o ritmo da reforma pela combinação de soluções de reforma parcial e de reforma gradual - por exemplo, 25%, 50% e 75% - para introduzir "liberdade de escolha na esfera da decisão individual e coletiva e flexibilidade no mercado de trabalho".

· Avaliar a evolução da produtividade do trabalho, de modo a determinar as condições de evolução do Salário Mínimo Nacional:

· Aumentar as pensões mínimas, sociais e rurais;

· Alterar a bonificação do abono de família por deficiência, aumentando-a para os agregados com menos recursos.

· Isenção do pagamento da Taxa Social Única para empresas que contratem trabalhadores a receber subsídio de desemprego, designadamente desempregados de longa duração e jovens, no período remanescente de atribuição do subsídio;

· Propor, a partir de 2015 e com espírito de gradualismo, a revisão do acordo com a Santa Sé sobre a questão dos feriados religiosos.

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.