sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Poiares Maduro compara 2015 e 2011, quando o país estava estagnado

O ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional comparou hoje a situação do país em 2011 e 2015, lembrando que grande parte da estagnação de que fala o líder da oposição aconteceu durante os governos socialistas.

MIGUEL A. LOPES

"Já ouviram seguramente o líder da oposição, António Costa, por vezes falar de que o país regrediu 15 anos. É verdade, ele esquecesse-se é de dizer que essa regressão, grande parte dela, aconteceu durante os Governos socialistas, em particular o Governo de José Sócrates, de que ele é durante um largo período o número dois", afirmou o ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, durante uma 'aula' na Universidade de Verão do PSD, que decorre em Castelo de Vide até domingo.

Recuando até 2011, quando o Governo de coligação PSD/CDS-PP tomou posse, Poiares Maduro lembrou a situação que encontrou, com atividade económica, o investimento e o emprego em forte queda e o "desemprego a subir de forma exponencial".

Por isso, explicou, com um país "quase em bancarrota", não era possível inverter a situação imediatamente.

"Era um bocadinho como um avião que está em queda e um novo piloto assume os comandos. A prioridade tem de ser aterrar em segurança, não vamos ter a expectativa de pôr o avião logo a subir, a entrar em velocidade cruzeiro imediatamente", exemplificou, sublinhando que isto foi o que aconteceu ao país.

Agora, e "depois de anos de muitos sacrifícios", o emprego e a atividade económica estão a crescer, o investimento está a subir a "um ritmo que já não se via há muitos anos" e o endividamento está entrar numa trajetória descendente, referiu.

"Regressámos finalmente a convergir com a Europa", vincou Poiares Maduro, que não integra as listas da coligação PSD/CDS-PP às eleições legislativas de 04 de outubro.

Numa 'aula' em que teve como companheiro de tribuna o secretário de Estado do Desenvolvimento, Castro Almeida, Poiares Maduro fez ainda alusão aos cartazes do PS que têm inscrita a palavra "confiança", gracejando que agora é realmente tempo de confiança, ao contrário do que acontecia em 2011, quando o PS saiu do Governo.

"Invertemos o ciclo negativo em que nos encontrávamos", insistiu, alertando, contudo, que o caminho de recuperação do crescimento "está longe de estar terminado".

No final da 'aula', Poiares Maduro foi questionado pelos jornalistas sobre as eleições presidenciais, mas escusou-se a fazer comentários alegando que falar de presidenciais é "distrair o país da opção fundamental que o país tem de fazer neste momento", numa referência às legislativas de 04 de outubro.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.