sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Poiares Maduro compara 2015 e 2011, quando o país estava estagnado

O ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional comparou hoje a situação do país em 2011 e 2015, lembrando que grande parte da estagnação de que fala o líder da oposição aconteceu durante os governos socialistas.

MIGUEL A. LOPES

"Já ouviram seguramente o líder da oposição, António Costa, por vezes falar de que o país regrediu 15 anos. É verdade, ele esquecesse-se é de dizer que essa regressão, grande parte dela, aconteceu durante os Governos socialistas, em particular o Governo de José Sócrates, de que ele é durante um largo período o número dois", afirmou o ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, durante uma 'aula' na Universidade de Verão do PSD, que decorre em Castelo de Vide até domingo.

Recuando até 2011, quando o Governo de coligação PSD/CDS-PP tomou posse, Poiares Maduro lembrou a situação que encontrou, com atividade económica, o investimento e o emprego em forte queda e o "desemprego a subir de forma exponencial".

Por isso, explicou, com um país "quase em bancarrota", não era possível inverter a situação imediatamente.

"Era um bocadinho como um avião que está em queda e um novo piloto assume os comandos. A prioridade tem de ser aterrar em segurança, não vamos ter a expectativa de pôr o avião logo a subir, a entrar em velocidade cruzeiro imediatamente", exemplificou, sublinhando que isto foi o que aconteceu ao país.

Agora, e "depois de anos de muitos sacrifícios", o emprego e a atividade económica estão a crescer, o investimento está a subir a "um ritmo que já não se via há muitos anos" e o endividamento está entrar numa trajetória descendente, referiu.

"Regressámos finalmente a convergir com a Europa", vincou Poiares Maduro, que não integra as listas da coligação PSD/CDS-PP às eleições legislativas de 04 de outubro.

Numa 'aula' em que teve como companheiro de tribuna o secretário de Estado do Desenvolvimento, Castro Almeida, Poiares Maduro fez ainda alusão aos cartazes do PS que têm inscrita a palavra "confiança", gracejando que agora é realmente tempo de confiança, ao contrário do que acontecia em 2011, quando o PS saiu do Governo.

"Invertemos o ciclo negativo em que nos encontrávamos", insistiu, alertando, contudo, que o caminho de recuperação do crescimento "está longe de estar terminado".

No final da 'aula', Poiares Maduro foi questionado pelos jornalistas sobre as eleições presidenciais, mas escusou-se a fazer comentários alegando que falar de presidenciais é "distrair o país da opção fundamental que o país tem de fazer neste momento", numa referência às legislativas de 04 de outubro.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.