sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Poiares Maduro compara 2015 e 2011, quando o país estava estagnado

O ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional comparou hoje a situação do país em 2011 e 2015, lembrando que grande parte da estagnação de que fala o líder da oposição aconteceu durante os governos socialistas.

MIGUEL A. LOPES

"Já ouviram seguramente o líder da oposição, António Costa, por vezes falar de que o país regrediu 15 anos. É verdade, ele esquecesse-se é de dizer que essa regressão, grande parte dela, aconteceu durante os Governos socialistas, em particular o Governo de José Sócrates, de que ele é durante um largo período o número dois", afirmou o ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, durante uma 'aula' na Universidade de Verão do PSD, que decorre em Castelo de Vide até domingo.

Recuando até 2011, quando o Governo de coligação PSD/CDS-PP tomou posse, Poiares Maduro lembrou a situação que encontrou, com atividade económica, o investimento e o emprego em forte queda e o "desemprego a subir de forma exponencial".

Por isso, explicou, com um país "quase em bancarrota", não era possível inverter a situação imediatamente.

"Era um bocadinho como um avião que está em queda e um novo piloto assume os comandos. A prioridade tem de ser aterrar em segurança, não vamos ter a expectativa de pôr o avião logo a subir, a entrar em velocidade cruzeiro imediatamente", exemplificou, sublinhando que isto foi o que aconteceu ao país.

Agora, e "depois de anos de muitos sacrifícios", o emprego e a atividade económica estão a crescer, o investimento está a subir a "um ritmo que já não se via há muitos anos" e o endividamento está entrar numa trajetória descendente, referiu.

"Regressámos finalmente a convergir com a Europa", vincou Poiares Maduro, que não integra as listas da coligação PSD/CDS-PP às eleições legislativas de 04 de outubro.

Numa 'aula' em que teve como companheiro de tribuna o secretário de Estado do Desenvolvimento, Castro Almeida, Poiares Maduro fez ainda alusão aos cartazes do PS que têm inscrita a palavra "confiança", gracejando que agora é realmente tempo de confiança, ao contrário do que acontecia em 2011, quando o PS saiu do Governo.

"Invertemos o ciclo negativo em que nos encontrávamos", insistiu, alertando, contudo, que o caminho de recuperação do crescimento "está longe de estar terminado".

No final da 'aula', Poiares Maduro foi questionado pelos jornalistas sobre as eleições presidenciais, mas escusou-se a fazer comentários alegando que falar de presidenciais é "distrair o país da opção fundamental que o país tem de fazer neste momento", numa referência às legislativas de 04 de outubro.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.