sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Ana Avoila quer que dia de eleições seja um dia de luta

A coordenadora da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, Ana Avoila, apelou hoje aos trabalhadores do setor para que transformem o dia das eleições legislativas, 04 de outubro, num dia de luta contra os partidos que os têm prejudicado.

"Os trabalhadores devem fazer do dia 04 de outubro um dia nacional de luta dos trabalhadores. O voto é uma forma de luta contra quem nos tem feito mal e contra quem nos quer fazer mal", disse a sindicalista à agência Lusa.

Ana Avoila lembrou que os trabalhadores da função pública e as suas familias totalizam quase dois milhões de eleitores, que podem contestar, através do voto, as políticas que têm sido aplicadas na administração pública.

"Não podemos aceitar que continuem a tratar-nos mal", disse, acrescentando que os programas eleitorais dos partidos do Governo e do PS "pouco têm relativamente à situação dos trabalhadores da Administração pública".

A coordenadora da Frente Comum apresentou hoje um documento com as "linhas gerais para a construção da proposta reivindicativa comum para 2016", que deverá ser aprovada em cimeira de sindicatos a 21 de outubro e posteriormente apresentada ao futuro Governo.

A Frente Comum reivindica a reposição imediata dos salários e pensões, com cortes desde 2011, e um aumento salarial de 4% para 2016, que garanta pelo menos um acréscimo de 50 euros a todos os trabalhadores.

A Frente Comum reivindica ainda o aumento do subsídio de refeição dos atuais 4,27 euros para os 6,50 euros e a atualização das restantes matérias pecuniárias em 4%.

A reposição do pagamento do trabalho extraordinário nos anteriores valores e do horário semanal de trabalho nas 35 horas são outras das exigências da estrutura sindical da CGTP.

Ana Avoila defendeu ainda a necessidade de revogação da legislação que tem agravado a situação dos funcionários públicos, nomeadamente a que instituiu o regime de requalificação.

O fim da precariedade na administração pública, a reposição da aposentação com 36 anos de serviço e 60 de idade sem penalizações e a revogação da sobretaxa são também reivindicadas pela Frente Comum.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC