sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Eleitores que estejam em filas de espera às 19:00 devem votar

A Comissão Nacional de Eleições considera que devem ser admitidos os votos dos eleitores que se encontrem nas filas para votar às 19:00, hora de encerramento das urnas.

MIGUEL A. LOPES

Num comunicado emitido hoje pelas 17:40, a Comissão Nacional de Eleições (CNE) afirma ter transmitido aos presidentes de juntas de freguesia que "devem ser admitidos a votar os cidadãos eleitores que às 19 horas, horário de enceramento das assembleias de voto, se encontrem nas filas para votar, assinalando-se o último eleitor da fila".

O esclarecimento da CNE surge menos de uma hora e meia antes do encerramento das assembleias de voto em Portugal Continental e na Madeira.

Na freguesia de Algés, por exemplo, uma alteração do local de votação está a provocar "uma enorme confusão" com tempos de espera para votar superiores a uma hora.

A Câmara Municipal de Oeiras assumiu já o "erro" de ter alterado o local de votação em Algés.

Os eleitores da freguesia de Algés sempre votaram na Escola Secundária de Miraflores, mas para este ato eleitoral a Câmara de Oeiras decidiu alterar o local para o Pavilhão Celorico Moreira, uma decisão que a autarquia reconhece "não ter corrido bem".

Mais de 9,6 milhões de eleitores são hoje chamados a votar para a escolha de 230 deputados à Assembleia da República, resultado que ditará também a escolha de um futuro Governo.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.