sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

PPM teme coligação de esquerda que crie "Frente Popular em Portugal"

O presidente do PPM defendeu hoje que os resultados do partido foram os esperados e admitiu estar preocupado com uma coligação de esquerda que crie "uma espécie de Frente Popular em Portugal".

"Da nossa parte fizemos a campanha que foi possível e obtivemos os resultados que eram expectáveis. Em relação à situação nacional, estamos muito preocupados com a possibilidade de um partido que não ganhou as eleições, o PS, pretender agora governar o país através de uma coligação de partidos de esquerda, renovando experiências da Europa da década de 30", disse à Lusa Paulo Estevão.

Com 0,28% dos votos, mais um ponto percentual que nas legislativas de 2011, o PPM conseguiu "manter a sua projeção eleitoral" o que era "um dos grandes objetivos do partido", assinalou.

Perante os resultados nacionais, o responsável do Partido Popular Monárquico teme a criação de "uma espécie de frente popular em Portugal" ou seja, "uma coligação de partidos de esquerda -- PS, BE e PCP -- que podem conduzir o país para uma situação muito difícil".

"Nós consideramos que neste momento está criado um problema de enorme instabilidade politica no país que nos preocupa muito", atirou.

Nesse sentido, garantiu que "o PPM continuará disponível para congregar forças na área da AD" e destacou que "nalguns distritos os resultados dos votos, como em Aveiro ou Lisboa, são resultados que teriam apoiado a coligação".

"Demonstrámos essa abertura [e] consideramos fundamental concentrar votos de centro-direita. A nossa disponibilidade existia e continua a existir", acrescentou Paulo Estevão.

A estas eleições, concorreram 16 forças políticas, das quais três são coligações e as restantes 13 partidos.

Nas coligações, contam-se a Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta PCP e PEV, a coligação Portugal à Frente, com PSD e CDS-PP e a coligação Agir, que alia o Movimento Alternativa Socialista (MAS) ao Partido Trabalhista Português (PTP).

Os partidos políticos são o Partido Socialista (PS), Bloco de Esquerda (BE), Livre/Tempo de Avançar, Juntos pelo Povo (JPP), Nós, Cidadãos! (NC), Portugal pro vida, Cidadania e Democracia Cristã (PPV/CDC), Partido da Terra (MPT), Partido Democrático Republicano (PDR), Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP), Partido Nacional Renovador (PNR), Partido Unitário dos Reformados Portugueses (PURP), Partido Popular Monárquico (PPM) e Pessoas-Animais-Natureza (PAN).

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31