sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Portas diz que coligação saberá "ler e respeitar" ausência de maioria

​O líder do CDS-PP, Paulo Portas, afirmou hoje que os partidos da coligação saberão "ler e respeitar" que os portugueses tenham transmitido com "total clareza" que querem que sejam governo mas sem maioria de mandatos no parlamento.

Lusa

"Os portugueses quiseram, com total clareza que PSD e CDS sejam governo por mais quatro anos, mas não nos deram uma maioria absoluta de mandatos. Saberemos ler e respeitar essa dupla circunstância", afirmou Paulo Portas, sublinham que isso implica um esforço para uma "política responsável, de abertura e de compromisso".

Ao secretário-geral do PS, António Costa, disse: "Não é possível transformar uma derrota nas urnas numa espécie de vitória de secretaria".

"A diferença entre coligação e PS andará pelos 7%. A derrota do PS é inabalável. O resultado socialista fica na casa do que obteve nas eleições europeias cujas consequências foram as que se conhecem, mas isso não são contas do nosso rosário", afirmou, falando no hotel de Lisboa que hoje serve de "quartel-general" para a noite eleitoral da coligação PSD/CDS-PP.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.