sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Presidente da República recebe líder do PSD na terça-feira às 18:00

O Presidente da República vai receber na terça-feira às 18:00 o líder do PSD, Pedro Passos Coelho, segundo a agenda do chefe de Estado divulgada hoje.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

O encontro do chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, com o presidente do PSD irá acontecer dois dias depois das eleições de domingo que deram a vitória à coligação PSD/CDS-PP e após as reuniões dos órgãos de direção mais restritos que se realizam hoje.

No domingo, a coligação Portugal à Frente (PSD/CDS-PP) venceu as eleições com 38,55% (104 deputados), o PS conseguiu 32,38% (85 deputados), o BE subiu a terceira força política com 10,22% (19 deputados), a CDU alcançou 8,27% (17 deputados) e o PAN vai estrear-se no parlamento, com um deputado, 1,39% dos votos.

Nas últimas eleições legislativas, a 05 de junho de 2011, o Presidente da República recebeu o líder do partido mais votado - também o PSD de Pedro Passos Coelho - logo no dia a seguir ao ato eleitoral.

Nesse encontro, Cavaco Silva incumbiu Passos Coelho de "desenvolver de imediato diligências" para "propor uma solução governativa" com apoio parlamentar maioritário, a ser comunicada ao chefe de Estado "antes da publicação do mapa oficial" dos resultados eleitorais.

Nove dias depois das eleições, a 14 de junho, Cavaco Silva recebeu pela segunda vez o líder do PSD, ainda antes de começar a ouvir os partidos com representação parlamentar. Nesse encontro Passos Coelho comunicou ao Presidente da República que o PSD e o CDS-PP dispunham de uma "solução maioritária de Governo".

Nesse mesmo dia, o chefe de Estado começou a ouvir os partidos com assento parlamentar, encontros que se prolongaram até ao dia seguinte.

Após a conclusão das audições, Belém anunciou que tinha indigitado o líder do PSD para o cargo de primeiro-ministro.

Nas eleições de 27 de setembro de 2009, que deram a vitória ao PS, sem maioria, o Presidente da República recebeu o então secretário-geral socialista José Sócrates a 01 de outubro.

A 8 de outubro, o chefe de Estado começou a ouvir os partidos, e a 12 de outubro José Sócrates foi indigitado primeiro-ministro.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.