sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Álvaro Beleza vai pedir primárias no PS após presidenciais

O dirigente socialista Álvaro Beleza vai pedir na Comissão Política Nacional de hoje do partido a marcação de eleições primárias no PS a realizarem-se a seguir às eleições presidenciais, porque tem de haver uma "clarificação" da liderança do partido.

Em declarações à agência Lusa, Álvaro Beleza, que integrou a direção do PS de António José Seguro e foi um dos responsáveis pela transição entre essa liderança e a de António Costa, vincou que é necessária uma "clarificação interna" sobre a liderança do PS a ter depois das eleições presidenciais de janeiro de 2016, e às quais concorrem dois nomes da área política do PS: Maria de Belém e Sampaio da Nóvoa.

De todo o modo, acrescenta o socialista, António Costa, ao não demitir-se no domingo após a derrota nas legislativas, indicia que se irá recandidatar à liderança do partido, mas, advoga Beleza, do mesmo modo que Costa chegou à liderança do PS através de primárias o mesmo método deveria ser agora aplicado.

"O secretário-geral do PS é sempre um possível primeiro-ministro", sustenta Beleza, recordando o facto de as primárias de 2014 terem sido para escolher o candidato socialista a primeiro-ministro e não o secretário-geral do partido.

Costa, prossegue o antigo membro da direção de Seguro, deve ser "coerente", e portanto a "legitimação" da liderança do PS "tem de ser feita no mesmo tipo de eleição" com que o antigo presidente da Câmara de Lisboa chegou ao poder no partido.

"O secretário-geral é sempre um potencial primeiro-ministro e ainda mais neste quadro de direita minoritária", insistiu Beleza.

A clarificação interna deve ser "serena" e "racional", acrescenta ainda, mas o PS, partido "charneira" da estabilidade, deve estar pronto para o "quadro de alguma instabilidade" que o parlamento viverá com uma maioria de centro-direita minoritária.

"A clarificação interna deve ser feita depois das presidenciais. Não vamos agora criar aqui ruído porque já estamos a correr atrás do prejuízo", prosseguiu o dirigente socialista.

Álvaro Beleza diz ainda rever-se integralmente nas declarações de hoje de Francisco Assis à Lusa, com o eurodeputado a considerar, por exemplo, que qualquer discussão sobre a liderança do PS é "extemporânea" e o mais importante é garantir a eleição de um Presidente da República oriundo do espaço político deste partido.

Francisco Assis declarou ainda que o PS deve assumir a liderança da oposição ao Governo PSD/CDS-PP, nunca se subjugando a chantagens, mas deve ser sensível às "legítimas" preocupações de estabilidade política.

Álvaro Beleza é um dos socialistas que estará na Comissão Política Nacional do partido agendada para as 21:30 de hoje.

A reunião segue-se às legislativas de domingo, que a coligação Portugal à Frente (PSD/CDS-PP) venceu as eleições com 38,55% (104 deputados), com o PS a conseguir 32,38% (85 deputados).

Beleza diz que não se sentia bem na sua "consciência" se não levasse adiante a questão da clarificação interna, e sublinhou que "se ninguém aparecer" em melhores condições de disputar a liderança, "não foge", apesar de tal desígnio não ser uma "missão de uma vida".

O socialista lembrou que António José Seguro "foi apeado" depois de vencer duas eleições, autárquicas e europeias, ao passo que o atual secretário-geral perdeu as legislativas disputadas no domingo.

Logo após o sufrágio, Beleza havia pedido uma discussão interna e uma comissão política, acrescentou, é "poucochinho" para o momento.

António Costa vai convocar hoje um congresso para definir a questão da liderança e da estratégia partidária após as eleições.

Fonte oficial do PS referiu à agência Lusa na segunda-feira que na reunião da Comissão Política, além da marcação de diretas para o cargo de secretário-geral, seguidas por um congresso nacional, o Secretariado Nacional, o órgão de direção executiva dos socialistas, também poderá avançar com a convocação de congressos nas federações (as estruturas distritais).

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.