sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

PSD e CDS-PP enviaram ao PS "documento facilitador de um compromisso"

PSD e CDS-PP anunciaram hoje que fizeram chegar ao PS um "documento facilitador de um compromisso" entre as duas partes "para a governabilidade de Portugal" e aguardam que os socialistas marquem uma hora de reunião para terça-feira.

(arquivo)

(arquivo)

Lusa

Num comunicado conjunto divulgado pelos seus gabinetes de imprensa, PSD e CDS-PP afirmam que fizeram chegar hoje, pelas 15:50, ao secretário-geral do PS, António Costa, um "Documento facilitador de um compromisso entre a Portugal à Frente e o Partido Socialista para a governabilidade de Portugal".

Sociais-democratas e centristas referem que esse documento foi enviado "na sequência do acordado na reunião do dia 9", sexta-feira, com o PS. "Ainda no respeito pelo acordado ficam os partidos da coligação a aguardar proposta de hora para a reunião entre as delegações prevista para amanhã [terça-feira]", acrescentam.

Na sexta-feira, delegações do PSD e do CDS-PP estiveram reunidas com uma delegação do PS durante quase três horas, na sede nacional dos sociais-democratas, em Lisboa, para procurar soluções de governabilidade.

No final, o secretário-geral do PS, António Costa, considerou que essa reunião tinha sido "bastante inconclusiva", dizendo que os dois partidos da coligação não tinham apresentado qualquer proposta concreta.

Por sua vez, o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, declarou que esperava que fossem os socialistas a apresentar propostas concretas e acrescentou que, como isso não tinha acontecido, PSD e CDS-PP iriam então fazer "um exercício um bocadinho mais atrevido" de tentar "selecionar propostas do PS" para debater num próximo encontro, marcado para terça-feira.

Segundo Passos Coelho, PSD e CDS-PP estão disponíveis para acolher propostas do PS para obter um acordo sobre as linhas gerais do seu Programa do Governo e do Orçamento do Estado para 2016, sem traçar "linhas vermelhas", desde que sejam respeitadas as regras europeias, incluindo o chamado tratado orçamental.

A coligação PSD/CDS-PP foi a força mais votada nas legislativas de 04 de outubro, mas sem maioria absoluta de deputados. Logo na noite eleitoral, o presidente do PSD anunciou que sociais-democratas e centristas iriam assinar um acordo para governar e que iria tomar a iniciativa, "no plano parlamentar, de contactar o PS" para procurar entendimentos sobre reformas importantes, como a da Segurança Social.

Por sua vez, no domingo de eleições, o secretário-geral do PS, António Costa, prometeu não fazer parte de uma "maioria negativa" contra PSD e CDS-PP sem haver "um Governo credível e alternativo ao da direita".

Dois dias após as eleições, o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, recebeu em Belém o presidente do PSD e, mais tarde, em comunicação ao país anunciou que o tinha incumbido de "desenvolver diligências com vista a avaliar as possibilidades de constituir uma solução governativa que assegure a estabilidade política e a governabilidade do país", sem adiantar que solução poderá ser essa.

Nessa mesma noite, António Costa recebeu da Comissão Política Nacional do PS um mandato para falar com todas as forças políticas representadas no parlamento - tendo-se já reunido, entretanto, com PCP, PEV, BE e PAN, para além do encontro com PSD e CDS-PP.

Por sua vez, PSD e CDS-PP reuniram os seus órgãos nacionais na segunda e terça-feira seguintes às eleições, e na quarta-feira assinaram um acordo de Governo.

Nessa ocasião, referindo-se a António Costa como "líder do maior partido da oposição", Passos Coelho anunciou que lhe tinha proposto nessa manhã uma reunião destinada a promover "uma cultura de diálogo, de compromissos" que assegurasse "estabilidade para governar".

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52