sicnot

Perfil

Novo Governo

Novo Governo

Novo Governo

Catarina Martins diz que caminho "é difícil" mas tem de ser feito

A porta-voz do Bloco de Esquerda (BE) afirmou sexta-feira que o caminho das negociações à esquerda "é difícil e complexo" mas tem de ser feito, vincando que há quem "esteja assustado" por o partido não desistir.

Lusa

"Não podemos desistir, e porque não desistimos há quem esteja assustado (...), Manuela Ferreira Leite está em estado de choque", ironizou a porta-voz, vincando que a antiga líder social-democrata "sempre disse que queria defender as pensões, mas que seja o Bloco de Esquerda a defender as pensões já lhe parece muito mal".

Discursando perante mais de duas dezenas de apoiantes bloquistas na Casa do Alentejo, em Lisboa, Catarina Martins afirmou que o caminho das negociações que o Bloco está a levar a cabo com o Partido Socialista (PS) e o Partido Comunista Português (PCP) "é difícil, é complexo".

"Mas é mesmo, mesmo o que temos de fazer", frisou.

Também o vice-primeiro-ministro Paulo Portas e os mercados mereceram críticas por parte da porta-voz bloquista, arrancando risos à plateia.

"Paulo Portas lembrou-se de vir defender os eleitores do Bloco de Esquerda, diz que isto é terrível o BE pensar ir para um Governo (...) ou discutir soluções de um Governo para o país isso é terrível porque é desrespeitar o sentido de voto", afirmou a dirigente, acrescentando que "agora que ficou abaixo do Bloco de Esquerda, aparentemente acha que pode ser Governo e que o Bloco não pode discutir soluções de Governo".

Catarina Martins, que falava perante uma sala cheia de apoiantes bloquistas, numa sessão pública com o objetivo de consultar militantes do partido em relação ao futuro governativo do país, revelou ter ficado espantada por ter lido que as bolsas de valores teriam medo de si, e referiu que "ver o medo mudar de lugar é muito bom".

Em relação aos compromissos europeus, a porta-voz do BE vincou que "a Comissão Europeia bem pode querer o orçamento no dia em que quiser, primeiro tem de haver um Governo", pois o processo "tem de ser bem feito".

Catarina Martins aproveitou também para sublinhar que ao Bloco não interessa "o cheiro a poder".

"Sendo certo que o BE não tem os votos para fazer Governo, tem com certeza a força para ajudar com responsabilidade a determinar políticas de um outro Governo, respeitando o resultado eleitoral", acrescentando que "o empenho do partido não é construir um Governo para o qual não tem legitimidade".

A deputada do BE vincou também que o partido "não abdica daquilo que afirmou na campanha eleitoral, mas sabe centrar-se no que é essencial num processo de convergência em que a convergência é essencial de todas as partes para que haja mudança real no país".

"Não faremos parte de uma solução de Governo que querendo ser mudança não a seja", frisou, assumindo que a questão da reestruturação da dívida é "uma questão inultrapassável" mas não limita diálogos com PS e PCP.

Catarina Martins declarou ainda que o partido tem estudado muito e que espera que "rapidamente todas as partes envolvidas no processo possam ter os mesmos números apresentados, como o Bloco tem feito".

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.

  • TAP recruta mais assistentes de bordo
    2:40

    Economia

    A TAP assegura que, até ao final de outubro, os problemas com falta de tripulação vão terminar. Até ao final do ano vão ser contratados novos assistentes de bordo, mas o sindicato diz que não chega.

  • "Um ataque e uma humilhação contra o povo catalão"
    1:35